Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFERSA

2024
Dissertações
1
  • FRANCISCA JOSELÂNIA DA SILVA BENTO
  • RELAÇÃO ENTRE PERFORMANCE ESG E DESEMPENHO FINANCEIRO DE EMPRESAS LISTADAS NOS ÍNDICES DE SUSTENTABILIDADE DA BOLSA BRASILEIRA

  • Orientador : FABIO CHAVES NOBRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALEXSANDRO GONCALVES DA SILVA PRADO
  • ANA PAULA PERLIN
  • FABIO CHAVES NOBRE
  • LIANA HOLANDA NEPOMUCENO NOBRE
  • Data: 26/01/2024

  • Mostrar Resumo
  • RELAÇÃO ENTRE PERFORMANCE ESG E DESEMPENHO FINANCEIRO DE EMPRESAS LISTADAS NOS ÍNDICES DE SUSTENTABILIDADE DA BOLSA BRASILEIRA


  • Mostrar Abstract
  • O presente estudo objetiva analisar a influência dos indicadores de ESG no desempenho financeiro das empresas pertencentes ao Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) e ao Índice de Carbono Eficiente (ICO2), ambos da Bolsa de Valores Brasileira, a B3. Quanto ao delineamento metodológico, esta pesquisa classifica-se sob o paradigma epistemológico positivista, com abordagem quantitativa, utilizando-se o método hipotético-dedutivo. Relacionado a estratégia de pesquisa, este estudo pode ser classificado como descritivo e explicativo, com um horizonte de tempo da investigação de corte transversal. A seleção da amostra se deu por acessibilidade e é composta pelas empresas que compõe a carteira 2022/2023 (1° quadrimestre) do ISE e do ICO2 da B3 que divulgaram informações ESG no período de 2012 a 2021, totalizando 28 empresas. Os dados financeiros e os dados relacionados as métricas de ESG foram coletados da base de dados Refinitiv Eikon®, em março de 2023. A coleta e o tratamento desses dados se deram com auxílio dos Softwares Gretl e Excel. A técnica de análise utilizada é a de regressão linear múltipla por mínimos quadrados ordinários (MQO), com dados em painel de efeitos aleatórios para a estimação do modelo com a variável dependente Retorno sobre o Ativo (ROA) e de efeitos fixos para os modelos utilizando as variáveis dependentes Retorno sobre Patrimônio Líquido (ROE), Q de Tobin e Lucro por Ação (LPA). Os resultados parciais apontam que a pontuação ESG geral impacta positivamente o desempenho financeiro das empresas estudadas. Sendo que a dimensão Ambiental é a que apresenta um impacto maior, com uma relação positiva significativa tanto na rentabilidade quanto no valor de mercado das empresas. Enquanto que a dimensão Social mostra um impacto negativo no lucro dos acionistas e a variável governança um impacto positivo no valor de mercado, porém sem impacto na rentabilidade das empresas.

2
  • MARIA ELIZANIA CHAVES VALENTIM
  •  

    MODELO MULTICRITÉRIO DE SELEÇÃO DE FORNECEDORES PARA APOIAR DECISÕES DE COMPRAS DE UMA FÁBRICA DE MÓVEIS
  • Orientador : RENAN FELINTO DE FARIAS AIRES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RENAN FELINTO DE FARIAS AIRES
  • ANDERSON TIAGO PEIXOTO GONCALVES
  • MARLENE MEDEIROS
  • Data: 19/02/2024

  • Mostrar Resumo
  • As mudanças tecnológicas e a globalização dos mercados fizeram com que muitas empresas se concentrassem no problema de seleção de fornecedores, que passou a ser visto como uma questão estratégica pelas organizações. O gerenciamento eficaz da base de fornecedores demanda muitos recursos do departamento de compras e a tomada de decisão é um dos processos mais críticos dentro desta função, por ter um grande impacto no desempenho geral da empresa. A seleção de fornecedores lida com vários fatores conflitantes e imprecisos e, por isso, trata-se de um problema multicritério de tomada de decisão (MCDM) em que tanto os critérios qualitativos quanto os quantitativos devem ser considerados. Nesse contexto, o estudo possui o objetivo de propor um modelo multicritério de seleção de fornecedores para apoiar o processo de compras de uma empresa do setor moveleiro do Ceará - CE. Para isso, foram definidos 12 critérios preliminares a serem utilizados, baseados na revisão de literatura e através de entrevista com o decisor da empresa, para a avaliação de seis fornecedores (alternativas) da matéria-prima crítica da empresa analisada (Chapa de MDF). Para tanto, foi utilizado o modelo R-TOPSIS, uma extensão do TOPSIS, que permite a apresentação dos resultados por meio de ranking. Para a definição dos pesos dos critérios foi utilizado o Swing Weights Procedure através do método Simple Multi-attribute Rating Technique Exploiting Ranks (SMARTER). Como resultados, tem-se que a alternativa A1 apresentou-se com o melhor desempenho, sendo considerada como a melhor empresa para se comprar a matéria-prima, destacando principalmente nos critérios de maiores pesos do modelo, como Qualidade, Segurança e Produto. Em seguida têm-se as alternativas A2 e A4 na segunda e terceira colocações, respectivamente, mantiveram um desempenho constante e conseguiram uma boa classificação em termos de pontuação. Do ponto de vista negativo, a alternativa A6 foi considerada a pior empresa, antecedida pela A5 que também apresentou um baixo desempenho. Por fim, foi aplicado a análise de sensibilidade para validação do modelo proposto, comprovando sua estabilidade satisfatória. Portanto, os resultados alcançados com o estudo evidenciaram as melhores e piores alternativas de empresas fornecedoras pertencentes ao setor moveleiro, baseado nas informações de desempenho nos processos de compras da empresa estudada. Concluiu-se que o modelo proposto forneceu contribuições relevantes para decisões de compras por meio de uma análise consistente e resultados confiáveis.


  • Mostrar Abstract
  • As mudanças tecnológicas e a globalização dos mercados fizeram com que muitas empresas
    se concentrassem no problema de seleção de fornecedores, que passou a ser visto como uma
    questão estratégica pelas organizações. O gerenciamento eficaz da base de fornecedores
    demanda muitos recursos do departamento de compras e tomada de decisão é um dos
    processos mais críticos dentro desta função, por ter um grande impacto no desempenho geral
    da empresa. A seleção de fornecedores lida com vários fatores conflitantes e imprecisos e,
    por isso, trata-se de um problema multicritério de tomada de decisão (MCDM) em que tanto
    os critérios qualitativos quanto os quantitativos devem ser considerados. Nesse contexto, este
    estudo possui o objetivo de propor um modelo multicritério de seleção de fornecedores para
    apoiar o processo de compras de uma empresa do setor moveleiro do Ceará - CE. Para isso,
    foram definidos 36 critérios preliminares a serem utilizados, baseados na revisão de literatura
    e, inicialmente, 6 fornecedores (alternativas) da matéria-prima crítica da empresa analisada.
    O R-TOPSIS, uma extensão do TOPSIS, será o método MCDM a ser utilizado, pois este
    possibilita integrar fatores qualitativos e quantitativos, bem como considera a análise de
    alternativas dentro de um mesmo espaço dimensional e finito. Com isso, pretende-se elaborar
    um ranking de classificação dos principais fornecedores do setor moveleiro para apoiar o
    processo de compras da empresa estudada.

3
  • LAILA MIRELLE DIOGENES MANICOBA
  • CAPACIDADE ABSORTIVA E A PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM UMA IFES: um estudo nos programas de iniciação científica e tecnológica.

  • Orientador : ANA MARIA MAGALHAES CORREIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA MARIA MAGALHAES CORREIA
  • ANA LUCIA BRENNER BARRETO MIRANDA
  • THALES BATISTA DE LIMA
  • Data: 26/02/2024

  • Mostrar Resumo
  • O conhecimento, na era contemporânea, tem sido considerado um recurso de grande importância para a melhoria do desempenho das organizações e para o desenvolvimento de inovações em processos, produtos e serviços. A sociologia da ciência propõe que compete à comunidade científica a produção e propagação do conhecimento, sendo desenvolvida, quase em sua totalidade, no âmbito do ensino superior. Deste modo, partindo do pressuposto que a aquisição, assimilação, transformação e exploração do conhecimento são fatores intrínsecos no campo educacional, esta pesquisa objetivou analisar o uso da capacidade absortiva (ACAP) no desenvolvimento de pesquisas de iniciação científica e tecnológica em uma IFES localizada em Mossoró/RN. Como base teórica, o referencial abortou a temática da sociedade do conhecimento, as capacidades dinâmicas e os modelos e teorias que permeiam a capacidade absortiva, amparando-se no modelo delineado por Zahra e George. Para atender aos objetivos, a pesquisa está amparada no raciocínio indutivo, caracterizada como sendo qualitativa, de natureza aplicada, por meio do estudo de um caso único, junto aos Programas de Iniciação PIBIC e PIBITI no âmbito da Universidade no período de setembro/2022 a agosto/2023. Visando a validação e convergência dos resultados, foi realizada uma triangulação de dados, por meio de questionários, entrevistas e análise documental. Todos os dados coletados foram analisados pelo método de análise de conteúdo. Como resultado da análise, foi possível definir o perfil dos pesquisadores envolvidos nos programas de iniciação da IFES, bem como descrever os processos e as peculiaridades que permeiam o desenvolvimento das pesquisas dentro dos programas. Foi possível auferir a predominância de pesquisas de iniciação científica em comparação às tecnológicas, motivadas, principalmente, pelo número de bolsas ofertadas em cada uma das modalidades, bem como a dominância de pesquisas na área das Ciências Agrárias. Com relação ao desenvolvimento da ACAP nas pesquisas, identificou-se que os pesquisadores exploram diferentes fontes, internas e externas, no momento de adquirir novos conhecimentos. Na etapa de assimilação do conhecimento, as ações são orientadas pelas reuniões com os membros da equipe de projeto e pelo uso de ferramentas de compartilhamento de informações. Já em relação a transformação e conversão do conhecimento, constatou-se a influência das rotinas de socialização e conectividade entre os pesquisadores. A exploração do conhecimento na perspectiva dos pesquisadores foi constatada a partir da incorporação de inovações, marcas e patentes. Por fim, ficou demonstrado que o desenvolvimento da ACAP nos programas de iniciação, possui limitações e potencialidades que precisam ser exploradas pela instituição, a exemplo das redes de contato, recursos financeiros e políticas institucionais. De forma geral, os resultados indicam que o aprimoramento da ACAP pode potencializar o desempenho institucional, gerando melhorias na inovação de processos e serviços, bem como na propagação e difusão de novos conhecimentos. Como contribuições, este estudo inaugura uma discussão teórica e empírica sobre o uso da ACAP no desenvolvimento de pesquisas científicas e tecnológicas em Instituições Federais de Ensino Superior, estabelecendo identificadores de análise e instrumentos de coletas de dados que ainda não haviam sido contemplados pela literatura, permitindo a replicação do estudo em trabalhos futuros.


  • Mostrar Abstract
  • O presente projeto propõe um estudo sobre a relação entre a capacidade absortiva e as pesquisas desenvolvidas pelas Instituições de Ensino Superior, tendo em vista que a aquisição, assimilação, transformação e disseminação do conhecimento são fatores intrínsecos no campo da educação. Deste modo, visando analisar como essa relação ocorre, será realizada uma pesquisa qualitativa, de natureza descritiva, por meio do estudo de um caso único, junto aos Programas de Iniciação Científica e Tecnológicas PIBIC e PIBITI desenvolvidos no âmbito da Universidade no período de agosto/2022 a agosto/2023. Visando a validação e convergência dos resultados, será realizada uma triangulação de dados e métodos, onde os dados serão coletados por meio de questionário, aplicado junto aos professores orientadores dos programas, bem como serão realizadas entrevistas com os membros do Comitê de Iniciação Científica, finalizando com a análise documental dos relatórios parciais e finais dos resultados de cada professore/orientador. Todos os dados coletados serão analisados pelo método de análise de conteúdo. Logo, espera-se conhecer como ocorre o processo de desenvolvimento das pesquisas científicas e tecnológicas nas IES, bem como entender, como é realizado o processo de aquisição, assimilação, transformação e explotação do conhecimento nas pesquisas.

2023
Dissertações
1
  • FRANCISCO SOUZA REGO FILHO
  • COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTOS PARA A SUSTENTABILIDADE: UM ESTUDO COM SERVIDORES DE UNIVERSIDADES FEDERAIS DO NORDESTE BRASILEIRO

  • Orientador : LUCIA REJANE DA ROSA GAMA MADRUGA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LILIAN CAPORLINGUA GIESTA CABRAL
  • LUCIA REJANE DA ROSA GAMA MADRUGA
  • THIAGO ANTÔNIO BEURON CORRÊA DE BARROS
  • Data: 09/02/2023

  • Mostrar Resumo
  • A sustentabilidade é um tema que vem sendo debatido cada vez mais na contemporaneidade, e a percepção de que o atual modo de vida precisa ser revisto já é tema de concordância em toda a sociedade. Nessa perspectiva, a importância que todas as organizações desempenhem nesse processo de mudança é notório, e as universidades enquanto organizações formadoras das próximas gerações que estarão na linha de frente das mudanças do futuro assumem um papel crucial nesse processo, sendo necessário entender como aqueles que as constituem estão atuando em seu trabalho para disseminar a questão da sustentabilidade. O presente estudo tem por objetivo, portanto, analisar as competências e comportamentos em prol da sustentabilidade em servidores de Universidades Federais do Nordeste Brasileiro. Um estudo similar já foi produzido por Garlet (2017) a partir do modelo de avaliação de Beuron (2016) em uma universidade no Sul do país, porém, em relação às universidades do Nordeste brasileiro, ainda não são encontrados estudos sobre a temática, fazendo-se necessário entender como a questão ocorre na região, permitindo, inclusive, a comparação da realidade com o estudo anterior. Em termos metodológicos, o estudo se enquadra como de natureza qualitativa e quantitativa de maneira combinada, com objetivos descritivos, utilizando-se de uma pesquisa documental e um levantamento de campo. O campo do estudo são três universidades federais do Nordeste brasileiro, a UFC, UNIVASF e UFERSA. A coleta e análise dos dados ocorreu por meio de uma análise documental nos documentos oficiais das universidades que compuserem o estudo, bem como a aplicação de um questionário, baseado no modelo proposto por Garlet et. al. (2019) e Garlet et al. (2021), enviado por e-mail aos servidores das instituições, o qual obteve um total de 250 respondentes, mas somente 248 foram válidos para utilização. Os resultados evidenciam que as universidades federais do nordeste brasileiro consideram a temática sustentabilidade na elaboração de seus documentos oficiais, entretanto, voltadas muito mais para o eixo econômico que para os demais, evidenciando a existência de poucas ações voltadas para a conscientização dos servidores. A análise dos dados do questionário evidenciou a existência de competências e comportamentos em prol da sustentabilidade nos servidores, atingindo valores considerados medianos, seguindo a proposta adapta de Pereira (1999) para análise, e que a correlação entre os constructos é alta, embora, a partir dos testes de regressão, evidenciarem que competências e comportamentos contribuem pouco para a percepção de uma universidade sustentável. Com relação à comparação com o estudo de Garlet (2017), os resultados foram similares, evidenciando a capacidade do modelo de análise proposto e das suas melhorias feitas ao longo dos estudos seguintes para captar competências e comportamentos para a sustentabilidade de maneira fidedigna. Por fim, o presente estudo atingiu seu objetivo, ao evidenciar a existência de competências e comportamentos sustentáveis nos servidores, admitindo as limitações da pesquisa ter sido realizada em somente três instituições e somente com 248 respondentes. Mas podendo propor que novos estudos sobre a temática sejam feitos.


  • Mostrar Abstract
  • A sustentabilidade é um tema que vem sendo debatido cada vez mais na contemporaneidade, e a percepção de que o atual modo de vida precisa ser revisto já é tema de concordância em toda a sociedade. Nessa perspectiva, a importância que todas as organizações desempenhem nesse processo de mudança é notório, e as universidades enquanto organizações formadoras das próximas gerações que estarão na linha de frente das mudanças do futuro assumem um papel crucial nesse processo, sendo necessário entender como aqueles que as constituem estão atuando em seu trabalho para disseminar a questão da sustentabilidade. Nessa perspectiva, ao considerar as competências e comportamentos dos indivíduos como fatos gerados a partir do convívio com os demais indivíduos que o rodeiam, as manifestações daqueles que fazem as universidades funcionarem ganham importância. O presente estudo tem por objetivo, portanto, analisar as competências e comportamentos em prol da sustentabilidade em servidores de Universidades Federais do Nordeste Brasileiro. Um estudo similar já foi produzido por Garlet (2017) a partir do modelo de avaliação de Beuron (2016) em uma universidade no Sul do país, porém, em relação às universidades do Nordeste brasileiro, ainda não são encontrados estudos sobre a temática, fazendo-se necessário entender como a questão ocorre na na região, permitindo, inclusive, a comparação da realidade com o estudo anterior. Em termos metodológicos, o estudo se enquadra como de natureza qualitativa e quantitativa de maneira combinada, com objetivos descritivos, utilizando-se de uma pesquisa documental e um levantamento de campo. O campo do estudo são as universidades federais do Nordeste brasileiro e os sujeitos os seus servidores docentes e técnicos administrativos em educação, entretanto, participarão do estudo apenas aquelas que seus representantes legais consentirem por meio de carta de anuência. A coleta e análise dos dados ocorrerá por meio de uma análise documental nos documentos oficiais das universidades que compuserem o estudo, bem como a aplicação de um questionário, baseado no modelo proposto por Beuron (2016), enviado por e-mail aos servidores das instituições, utilizando-se da estatística descritiva e análise de correlação de Person para análise dos dados encontrados. Por fim, o presente estudo buscará contribuir para o entendimento da temática das competências e comportamentos para a sustentabilidade em servidores de universidades federais na região, trazer mais dados para um panorama nacional ao se juntar ao estudo de Garlet (2017) e servir como instrumento de apoio para futuro planejamento dessas instituições na busca por se tornarem mais sustentáveis.

2
  • ANDREZA RODRIGUES DE ARAÚJO
  • CARACTERIZAÇÃO DOS SUSTAINABLE BUSINESS MODELS: UMA ANÁLISE DE CLUSTERIZAÇÃO DAS EMPRESAS QUE COMPÕEM O DOW JONES SUSTAINABLE WORLD INDEX

  • Orientador : MIRIAM KARLA ROCHA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ARIANE MELLO SILVA AVILA
  • BRENO BARROS TELLES DO CARMO
  • LIANA HOLANDA NEPOMUCENO NOBRE
  • MIRIAM KARLA ROCHA
  • Data: 13/02/2023

  • Mostrar Resumo
  • Os Sustainable Business Models (SBMs) apesar de sua ampla investigação na literatura internacional ainda carece de estudos voltados para a sua caracterização e a aplicação prática nas empresas. Como consequência, a pesquisa tem como objetivo geral propor e validar um novo modelo para caracterizar os Sustainable Business Models de empresas que compõem a carteira de 2020 do Dow Jones Sustainability World Index. Esse modelo de caracterização será realizado por meio do método quantitativo de agrupamentos das variáveis, denominado de clusterização. Nessa pesquisa, os dados são compostos por 13 variáveis e são divididos em quatro etapas que inicia com a coleta e processamento dos dados que caracterizam os SBMs e finaliza com a análise qualitativa dos clusters, o que irá permitir uma classificação desses grupos e consequentemente com esse modelo prático auxiliar os gestores de empresas na implementação dos SBMs, do mesmo modo que, irá contribuir para os pesquisadores abordarem essa caracterização mais holísticas em suas pesquisas.


  • Mostrar Abstract
  • Os Sustainable Business Models (SBMs) apesar de sua ampla investigação na literatura internacional ainda carece de estudos voltados para a sua caracterização e a aplicação prática nas empresas. Como consequência, a pesquisa tem como objetivo geral propor e validar um novo modelo para caracterizar os Sustainable Business Models de empresas que compõem a carteira de 2020 do Dow Jones Sustainability World Index. Esse modelo de caracterização será realizado por meio do método quantitativo de agrupamentos das variáveis, denominado de clusterização. Nessa pesquisa, os dados são compostos por 13 variáveis e são divididos em quatro etapas que inicia-se com a coleta e processamento dos dados que caracterizam os SBMs e finaliza com a análise qualitativa dos clusters, o que irá permitir uma classificação desses grupos e consequentemente com esse modelo prático auxiliar os gestores de empresas na implementação dos SBMs, do mesmo modo que, irá contribuir para os pesquisadores abordarem essa caracterização mais holísticas em suas pesquisas.

3
  • RAYSSA CLEIDE DE OLIVEIRA
  • A PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT DE PROFISSIONAIS BANCÁRIOS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

  • Orientador : AGOSTINHA MAFALDA BARRA DE OLIVEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • AGOSTINHA MAFALDA BARRA DE OLIVEIRA
  • JULIANA CARVALHO DE SOUSA
  • MIRIAM KARLA ROCHA
  • Data: 09/03/2023

  • Mostrar Resumo
  • No Brasil, a prevalência da síndrome de burnout (SB) vem afetando em média 30% dos mais de 100 milhões dos trabalhadores em todo país, se destacando no setor bancário, devido à grande pressão que há nessas organizações como, busca por metas, cobranças diárias e problemas que surgem constantemente, causando afastamento dos funcionários. O objetivo desse estudo é verificar a relação da SB com as variáveis sociodemográficas e funcionais de profissionais do setor bancário do Estado do Rio Grande do Norte. O presente estudo respalda-se na pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, já que os dados da análise serão coletados através de instrumento de pesquisa quantitativa. Para o desenvolvimento da pesquisa, a coleta de dados será desenvolvida através de questionário dividido em três partes. A primeira parte para determinar o perfil sociodemográfico dos respondentes e na segunda parte, um questionário funcional, para saber o tipo de instituição que o respondente está incluído, na terceira parte, um questionário sobre as estratégias de defesas utilizadas por esses profissionais. Logo após, será utilizado o instrumento validado de Maslach Burnout Inventory – General Survey (MBI-GS), que foi elaborado por Maslach e Jackson (1985) e adaptado por Tamayo (2002) para o idioma português. O questionário será disponibilizado via Google Forms e totalmente respondido de forma online pelos bancários do Estado do Rio Grande do Norte. O estudo contribuirá para o entendimento da prevalência da SB no setor bancário e ajudará estas instituições bancárias a desenvolver recursos que possam minimizar a prevalência da SB em seus funcionários. Contribuirá também para preencher a lacuna teórica existente entre a SB no setor bancário.


  • Mostrar Abstract
  • No Brasil, a prevalência da síndrome de burnout (SB) vem afetando em média 30% dos mais de 100 milhões dos trabalhadores em todo país, se destacando no setor bancário, devido à grande pressão que há nessas organizações como, busca por metas, cobranças diárias e problemas que surgem constantemente, causando afastamento dos funcionários. As pesquisas sobre a SB no setor bancário ainda são carentes, haja vista que, as pesquisas da SB se concentram mais em profissionais da área da saúde e educação (DIAS; ANGÉLICO, 2018). O objetivo desse estudo é verificar a relação da SB com as variáveis sociodemográficas e funcionais dos profissionais do setor bancário do Estado do Rio Grande do Norte. O presente estudo respalda-se na pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, já que os dados da análise serão coletados através de instrumento de pesquisa quantitativa. Para o desenvolvimento da pesquisa, a coleta de dados será desenvolvida através de questionário dividido em três partes. A primeira parte para determinar o perfil sociodemográfico dos respondentes e na segunda parte, um questionário funcional, para saber o tipo de instituição que o respondente está incluído, na terceira parte, um questionário sobre as estratégias de defesas utilizadas por esses profissionais. Logo após, será utilizado o instrumento validado de Maslach Burnout Inventory – General Survey (MBI-GS), que foi elaborado por Maslach e Jackson (1985) e adaptado por Tamayo (2002) para o idioma português. O questionário será disponibilizado via Google Forms e totalmente respondido de forma online pelos bancários do Estado do Rio Grande do Norte. O estudo contribuirá para o entendimento da prevalência da SB no setor bancário e ajudará estas instituições bancárias a desenvolver recursos que possam minimizar a prevalência da SB em seus funcionários. Contribuirá também para preencher a lacuna teórica existente entre a SB no setor bancário.

4
  • MARIZA CAMILA DE MIRANDA
  • Efeito dos Fatores Conjunturais e Empresariais no Sentimento do Investidor: Evidências do Mercado Brasileiro

  • Orientador : FABIO CHAVES NOBRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABIO CHAVES NOBRE
  • KLEBER FORMIGA MIRANDA
  • LIANA HOLANDA NEPOMUCENO NOBRE
  • LUMILA SOUZA GIRIOLI CAMARGO
  • WESLEY VIEIRA DA SILVA
  • Data: 14/04/2023

  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo objetiva evidenciar o efeito dos fatores conjunturais e dos fatores empresariais no sentimento do investidor das empresas pertencentes à Bolsa de Valores do Brasil no período de 2009 a 2021. Para atingir tal propósito, a respeito do delineamento metodológico, o trabalho classifica-se como de natureza aplicada; descritivo e explicativo quanto ao seu objetivo; bibliográfica e documental quanto aos procedimentos técnicos, e em relação à abordagem do problema, como quantitativo. A população do estudo é composta por todas as empresas de capital aberto pertencentes à B3 - Brasil, Bolsa e Balcão, totalizando em 345 empresas. A coleta dos dados foi realizada por meio dos dados anuais do período que compreendeu os anos de 2009 a 2021 das empresas componentes da população estudada. As informações pertinentes aos demonstrativos contábeis foram coletadas pelo banco de dados Economática®. O índice de sentimento do investidor foi elaborado a partir da técnica de análise de componentes principais, em que foram incorporadas ao índice as variáveis: número de ofertas de IPOs e Follow-on, proporção de altas e baixas, prêmio de dividendos e participação de investidores individuais no volume financeiro de negociação da B3. Com o constructo elaborado, avaliou-se sua relação com os fatores conjunturais e empresariais, em que foram observadas e realizadas inferências acerca dos movimentos destas variáveis face à intensidade do sentimento do investidor no mercado acionário. Os resultados apontaram que os fatores empresariais Q de Tobin, ROE, Tamanho e Tangibilidade, e o fator conjuntural Inflação foram os mais significativos em poder explicativo e em influência para com o índice de sentimento do investidor. Na análise setorial, destacam-se os setores de Utilidade Pública, Outros, Comunicações, Materiais Básicos e Financeiro. Conclui-se que os fatores conjunturais se mostram mais relevantes para as empresas dos setores da B3, em detrimento aos fatores empresariais. O estudo contribui na compreensão sobre fatores que influenciam a ocorrência de momentos otimistas, permitindo aos tomadores de decisão considerá-los quando avaliarem setores para investir no mercado de capitais brasileiro.


  • Mostrar Abstract
  • O presente estudo objetiva caracterizar o efeito das variáveis conjunturais e dos fatores empresariais no sentimento do investidor das empresas pertencentes aos setores da Bolsa de Valores do Brasil no período de 2003 a 2021. Para atingir tal propósito, a respeito do delineamento metodológico, o trabalho classifica-se como descritivo e explicativo quanto ao seu objetivo; documental quanto ao procedimento técnico, e em relação à abordagem do problema, como quantitativo. A população do estudo é composta por todas as empresas de capital aberto pertencentes à B3 - Brasil, Bolsa e Balcão, totalizando em 472 empresas. A coleta dos dados se realizará por meio dos dados anuais do período que compreenderá os anos de 2003 a 2021 das empresas componentes da população estudada, as informações pertinentes aos demonstrativos contábeis serão coletadas pelo pacote Economática®. O índice de sentimento do investidor será elaborado a partir da técnica de análise de componentes principais, em que serão incorporadas ao índice as variáveis: número de ofertas de IPOs e Follow-on, proporção de altas e baixas, prêmio de dividendos e participação de investidores individuais no volume financeiro de negociação da B3. Com o constructo elaborado, será realizada uma correlação entre este e os fatores conjunturais e empresariais, em que serão observadas e realizadas inferências acerca dos movimentos destas variáveis face à intensidade do sentimento do investidor no mercado acionário. A pesquisa visa contribuir com a literatura do ponto de vista teórico e prático, no primeiro, ao avançar na discussão da temática, considerando-se a incipiência no que concerne a forma como o sentimento do investidor influencia e é influenciado pelas variáveis estudadas. De forma prática, no aperfeiçoamento da tomada de decisão dos investidores, oportunizando sapiência quanto ao andamento do mercado brasileiro de ações.

5
  • CARLOS VICTOR SARAIVA LACERDA
  • GESTÃO DE ATIVOS INTANGÍVEIS EM CAPITAL INTELECTUAL POR MEIO DA PROPOSIÇÃO DE UMA ESTRUTURA DE INDICADORES PARA IES

  • Orientador : ANA MARIA MAGALHAES CORREIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA MARTINS DE OLIVEIRA
  • ANA MARIA MAGALHAES CORREIA
  • THAISEANY DE FREITAS REGO
  • Data: 05/05/2023

  • Mostrar Resumo
  • Em meio a uma sociedade que passa por constantes mudanças, o conhecimento se tornou fator preponderante para a sobrevivência das organizações. A partir desta observação, as organizações iniciaram um processo voltado à valorização do seu conhecimento e todos os demais recursos intangíveis que contribuem para sua existência e competitividade. Nesse momento, ganha-se destaque os estudos sobre o Capital Intelectual (CI), com a identificação dos seus tipos, como reconhecê-los, suas formas de divulgação, relação com outras áreas gerenciais, etc. Logo, os estudos sobre CI ganharam grande importância nas Instituições de Ensino Superior (IES), uma vez que essas instituições são criadoras e disseminadoras de conhecimento e utilizam-se do CI como ferramenta de gestão para atender suas demandas e aumentar seu desempenho. Com isso, esta pesquisa tem como objetivo analisar o gerenciamento dos ativos intangíveis de CI em uma IES localizada em Mossoró/RN. A revisão de literatura abordou a temática de Economia do Conhecimento, Capital Intelectual (CI) e Instituições de Ensino Superior (IES). Para atender ao objetivo, a presente pesquisa se deu por uma abordagem qualitativa, exploratória e descritiva e teve como procedimentos a análise documental e o estudo de caso único. Os dados utilizados na pesquisa foram coletados por meio do auxílio de um checklist documental, aplicação de entrevistas semi-estruturadas e de questionários com os gestores e servidores da instituição e foram analisados por meio da análise de conteúdo sendo parte deles tratados com o auxílio do software NVivo®. Os resultados indicam que a IES tem um CI relevante e tem capacidade de gerir o mesmo caso busque tornar isso um objetivo institucional. Como conclusão da pesquisa, é possível dizer que a pesquisa respondeu ao seu questionamento inicial, atendeu aos objetivos propostos, e mostrou que o gerenciamento dos ativos intangíveis de CI na IES objeto deste estudo acontece de forma superficial e indireta, uma vez que os resultados mostraram que em nenhum momento o CI é tratado como algo que a IES priorize na sua gestão ou que se utilize em determinado momento como vantagem competitiva ou ainda, como um diferencial.


  • Mostrar Abstract
  • Em meio a uma sociedade que passa por constantes mudanças, o conhecimento se tornou fator preponderante para a sobrevivência das organizações. A partir desta observação, as organizações iniciaram um processo voltado à valorização do seu conhecimento e todos os demais recursos intangíveis que contribuem para sua existência e competitividade com suas concorrentes. Nesse momento, ganham-se destaque os estudos sobre o Capital Intelectual (CI), que passou a ser considerado um grande diferencial competitivo. Buscou-se estudar seus tipos, sua forma de divulgação, reconhecimento, relação com outras áreas gerenciais, etc. Logo, os estudos sobre CI ganharam grande importância nas Instituições de Ensino Superior (IES), uma vez que essas instituições são criadoras e disseminadoras de conhecimento e utilizam-se do CI como ferramenta de gestão para atender suas demandas e aumentar seu desempenho. Com isso, esta pesquisa busca analisar o gerenciamento dos ativos intangíveis de CI em uma IES localizada em Mossoró/RN. Para atender o referido objetivo, o presente estudo será uma pesquisa qualitativa, será do tipo exploratório e descritivo e terá como procedimentos uma análise documental e bibliográfica. Por fim, os dados coletados nesta pesquisa serão tratados por meio uma a análise de conteúdo feita com o auxílio do software NVivo®. Com relação aos resultados e considerações finais desta pesquisa, os mesmos serão apresentados na defesa final da dissertação referente a esta pesquisa.

6
  • FRANKLYN LOPO DA SILVA
  • A LÓGICA DO EFFECTUATION E CAUSATION E OS VIESES COMPORTAMENTAIS NAS DECISÕES DE INVESTIMENTO EM TEMPOS DE COVID-19.

  • Orientador : LIANA HOLANDA NEPOMUCENO NOBRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNA LOURENA DE LIMA DANTAS
  • FABIO CHAVES NOBRE
  • LIANA HOLANDA NEPOMUCENO NOBRE
  • LUCIANA HOLANDA NEPOMUCENO
  • Data: 12/05/2023

  • Mostrar Resumo
  • Diante do contexto pandêmico, ocasionado pela COVID-19, configura-se um cenário
    de complexidade e incerteza, em que as empresas de menor porte enfrentaram diversos desafios.
    No século XX, as visões de negócios que eram predominantes diziam que um empreendedor
    possuía apenas uma alternativa adequada para tomar suas decisões, utilizando uma lógica
    preditiva, planejada e calculando os riscos dessas decisões, de modo que, a ideia de utilizar
    outras maneiras de decidir e agir eram consideradas como desvios ou erros de gestão.
    Posteriormente, surgem teorias que desafiam a lógica linear da tomada de decisão, as lógicas
    de effectuation e causation, assim como no campo das finanças comportamentais, surgem os
    estudos relacionados aos vieses comportamentais. A presente pesquisa tem como objetivo
    compreender o uso da lógica do effectuation e causation e o papel dos vieses comportamentais
    dos empreendedores em investimentos em tempos de Covid-19. O estudo possui uma
    abordagem qualitativa e finalidade descritiva. Os sujeitos da pesquisa são empreendedores de
    Mossoró-RN. A coleta de dados se deu por meio de entrevistas semiestruturadas de forma
    presencial. Os dados obtidos foram transcritos e analisados pelo método de análise de conteúdo,
    utilizando o software de análises qualitativas NVivo®. Quanto aos resultados percebeu-se que
    os empreendedores buscaram alternativas informais na hora de iniciar seus negócios durante o
    cenário pandêmico. No que se refere as tipificações das decisões de investimento, houve um
    predomínio das decisões que são mais adaptáveis. Já em relação aos vieses comportamentais,
    o Otimismo e o Excesso de Confiança foram os mais identificados quando se tratava das
    decisões que os empreendedores relataram. Estima-se que a presente pesquisa colaborou para
    o avanço na literatura de effectuation e causation e os vieses comportamentais na tomada de
    decisão de investimento de empreendedores.


  • Mostrar Abstract
  • Diante do contexto pandêmico, ocasionado pela COVID-19, surge um cenário de
    complexidade e incerteza, em que as empresas de menor porte enfrentaram diversos desafios.
    No século XX, as visões de negócios que eram predominantes, diziam que um empreendedor
    possuía apenas uma alternativa adequada para tomar suas decisões, utilizando uma lógica
    preditiva, planejada e calculando os riscos dessas decisões, de modo que, utilizar outras
    meneiras eram consideradas como desvios ou erros. Nessa pespectiva, surgem teorias que
    desafiam a lógica linear da tomada de decisão, as lógicas de effectuation e causation, assim
    como, no campo das finanças comportamentais, surgem os estudos relacionados aos vieses
    comportamentais. Dessa forma, a presente pesquisa tem como objetivo compreender a lógica
    do effectuation e causation e o papel dos vieses comportamentais dos empreendedores em
    investimentos em tempos de Covid-19. O estudo terá uma abordagem qualitativa e finalidade
    descritiva. Os sujeitos da pesquisa corresponderão a empreendedores de Mossoró-RN. A coleta
    de dados se dará por meio de entrevistas semiestruturadas de forma presencial. Posteriormente,
    os dados obtidos serão transcritos e analisados pelo método de análise de conteúdo, utilizando
    o software de análises qualitativas Nvivo. Estima-se que a presente pesquisa possa contribuir
    para o avanço na literatura de effectuation e causation e os vieses comportamentais na tomada
    de decisão de investimento de empreendedores, como também, possa contribuir de maneira
    prática para os empreendedores, tendo potencial de fornecer informações relevantes no contexto
    pandêmico.

7
  • EULITA DE SOUZA MORAIS
  • IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PERFORMANCES EM ESTUDOS DE AVALIAÇÃO SOCIAL DO CICLO DE VIDA: UMA ABORDAGEM PELA ANÁLISE DE CONTEÚDO.

  • Orientador : BRENO BARROS TELLES DO CARMO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRENO BARROS TELLES DO CARMO
  • CÁSSIA MARIA LIE UGAYA
  • ELISABETE STRADIOTTO SIQUEIRA
  • RENATA LOPES JAGUARIBE PONTES
  • Data: 15/05/2023

  • Mostrar Resumo
  • Ao observar os métodos aplicados em Avaliação Social do Ciclo de Vida (S-LCA), constata-se uma expressiva variedade nas práticas de pesquisa adotadas em cada estudo, sendo necessária uma padronização dos procedimentos. Em geral, os estudos não seguem todas as diretrizes da UNEP, há falta de consenso sobre uma metodologia especifica em S-LCA, como também, existem abordagens teóricas e práticas diferentes e às vezes divergentes apresentadas nas pesquisas realizadas e nos métodos adotados para seleção, identificação e avaliação de impactos sociais. Neste sentido, devido à sua importância no contexto de desenvolvimento econômico e social, e do crescente interesse pelos estudos em S-LCA pela comunidade científica e pelas lacunas identificadas, o presente estudo tem como objetivo principal, propor uma abordagem participativa bottom up para subsidiar a identificação de questões sociais pertinentes e a avaliação de impactos nos estudos de Avaliação Social do Ciclo de Vida, considerando o ponto de vista das partes interessadas. A abordagem proposta será aplicada para o ciclo de vida do mel do Rio Grande do Norte por meio do estudo de um caso, abrangendo a categoria de stakeholder ―Trabalhador‖. Os sujeitos respondentes da pesquisa serão selecionados de acordo com a sua expertise, representatividade e tempo de atuação dentro da cadeia produtiva, sendo utilizado para esta fase o método snowboll. Como metodologia, foi realizado entrevistas semiestruturadas com os representantes dos stakeholders, com o objetivo de identificar as questões sociais mais relevantes para estes sujeitos. Os dados coletadas foram analisados por meio da técnica de análise de conteúdo codificadas das entrevistas realizadas, como também a avaliação pelo método SAM, com o objetivo de identificar e classificar os impactos percebidos e que emergiram nas falas dos representantes dos stakeholders. O resultado da análise foi confrontado com as subcategorias preconizadas pela UNEP, com o objetivo de analisar a aderência e contribuições das questões sociais que emergiram através do método com as subcategorias de impacto propostas pela literatura de S-LCA, como também, explorar os impactos em cada uma delas. Concluímos que todos os objetivos deste estudo foram alcançados, e que a junção ou não das abordagens metodológicas utilizadas podem ser aplicadas em estudos com outras categorias de impacto para identificar e avaliar questões sociais, entendendo estas como padronizadas e especificas, levando em consideração o aprofundamento da percepção.


  • Mostrar Abstract
  • Ao observar os métodos aplicados em Avaliação Social do Ciclo de Vida (S-LCA), são notáveis as diferenças entre as práticas de pesquisa abordadas. Em geral, os estudos não seguem todas as diretrizes da UNEP e há falta de informações acerca dos métodos adotados para coleta, bem como para a definição da amostra e do questionário utilizado. Neste sentido, devido à sua importância no contexto de desenvolvimento econômico e social, do crescente interesse pelos estudos em S-LCA pela comunidade científica e pelas lacunas identificadas, o presente estudo tem como objetivo principal propor uma abordagem participativa bottom up para subsidiar a identificação de questões sociais pertinentes nos estudos de Avaliação Social do Ciclo de Vida, considerando o ponto de vista das partes interessadas. A abordagem proposta será validada para o ciclo de vida do mel do Rio Grande do Norte por meio do estudo de um caso, abrangendo a categoria de stakeholder ―Trabalhador‖. Para tanto, como metodologia, serão realizadas entrevistas semi-estruturadas com representantes dos stakeholders tendo como objetivo identificar as questões sociais mais importantes para estes sujeitos. Os dados serão analisados por meio da técnica de análise de conteúdo das entrevistas realizadas. O resultado da análise será confrontado com as subcategorias preconizadas pela UNEP. Os sujeitos respondentes da pesquisa serão selecionados de acordo com a sua expertise, representatividade e tempo de atuação dentro da cadeia produtiva. O presente estudo visa alcançar os seguintes resultados: a construção de um instrumento de pesquisa (roteiro de entrevista) para auxiliar na identificação de subcategorias pertinentes em S-LCA; a identificação das subcategorias que são mais pertinentes em S-LCA; e a descoberta de novas categorias que possam emergir a partir das análises, sendo estas incluídas aos estudos em Avaliação Social do Ciclo de Vida.

8
  • JOÃO CLÉCIO DE SOUSA HOLANDA
  • SUSTENTABILIDADE NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO: UMA ANÁLISE CONTEXTUAL, ORGANIZACIONAL, CURRICULAR E PEDAGÓGICA

  • Orientador : LILIAN CAPORLINGUA GIESTA CABRAL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LILIAN CAPORLINGUA GIESTA CABRAL
  • THAISEANY DE FREITAS REGO
  • PAOLA SCHMITT FIGUEIRÓ
  • Data: 18/05/2023

  • Mostrar Resumo
  • Os valores gerados pelo debate relacionado à sustentabilidade são essenciais na formação de
    qualquer profissional e em especial do administrador. Com isso, nota-se que as discussões sobre
    a temática têm ganhado evidência, principalmente em relação ao contexto educacional e
    organizacional, pois a educação é vista como um caminho para disseminar mudanças de
    conscientização para uma cultura sustentável e nas organizações, por fazerem usos de recursos,
    isso têm gerado preocupação quanto aos impactos oriundos das suas atividades, buscando
    mitigá-las a partir da adoção de práticas responsáveis, visando um futuro sustentável. Nesse
    contexto, o objetivo desse trabalho foi analisar os elementos que permitem a integração da
    temática da sustentabilidade no curso de administração de uma IES pública, a partir de uma
    estrutura analítica baseada nas dimensões operacionais da educação em gestão. Quanto ao
    delineamento metodológico, quantos aos objetivos classifica-se como exploratório e descritivo
    e quanto a abordagem, qualitativa. Em relação aos procedimentos técnicos e meios de
    investigação foi realizado um estudo de caso numa instituição de ensino superior pública
    situada em Mossoró-RN, no qual os sujeitos da pesquisa foram compreendem um representante
    institucional, o chefe de departamento e professores do curso de administração. Para a coleta
    dos dados foram utilizadas múltiplas fontes de evidências, tais como a pesquisa documental e
    entrevistas. Os instrumentos da pesquisa foram um roteiro semiestruturado e um check-list e
    como técnica de análise dos dados adotou-se a análise de conteúdo e análise documental. A
    partir dos resultados da pesquisa, foi possível inferir que o problema de pesquisa - Como são
    abordados os elementos que permitem a integração da temática da sustentabilidade no curso
    de administração de uma Instituição de Ensino Superior Pública, considerando as perspectivas
    das dimensões contextual, organizacional, curricular e pedagógica – foi atendido. Os
    principais resultados evidenciaram que as dimensões operacionais foram contempladas pois há
    o cumprimento das diretrizes e estabelecimento de estratégias em prol de mudanças voltadas à
    temática da sustentabilidade – dimensão contextual; O papel desempenhado pela atual gestão
    com esforços e comprometimento com as questões atuais, assim como as metas estabelecidas
    em suas práticas e no tripé da universidade têm possibilitado estabelecer um perfil institucional
    em prol da sustentabilidade, conforme evidenciado nos documentos institucionais e nas práticas
    – dimensão organizacional; Com a reformulação do projeto pedagógico, atenção às diretrizes e
    o incentivo da gestão para inclusão da temática na pesquisa e extensão, têm proporcionado a
    presença da sustentabilidade no currículo do curso de administração e dos demais cursos da
    instituição – dimensão curricular; As estratégias aplicadas em sala de aula têm garantido uma
    maior autonomia e prática para o aluno, e isso têm garantido um processo formativo com
    orientação aos temas transversais da contemporaneidade – dimensão pedagógica. Conclui-se os
    objetivos desse estudo foram contemplados e que trouxe contribuições relevantes para a área
    em estudo, uma vez que a sustentabilidade ainda é uma discussão incipiente no âmbito do curso
    de administração e da IES analisada, no qual ficou claro a partir dos achados da pesquisa que
    ambos contemplam ações pontuais ou iniciativas que ainda serão praticadas


  • Mostrar Abstract
  • Os valores gerados pelo debate da educação para a sustentabilidade são essenciais na formação de qualquer profissional, e em especial do administrador. Com isso, nota-se que as instituições de ensino superior voltadas à administração e negócios, estão caminhando em direção à inclusão da sustentabilidade em seus programas, sendo que algumas já dão demonstrações claras de progresso. Vale ressaltar a existência de estudos que tratam da introdução da temática sustentabilidade no ensino de forma isolada, ou levando em consideração apenas algumas dimensões operacionais, no qual se faz necessário tratá-las de forma integrada, a partir da interconexão entre elas. Assim, como base analítica, esse estudo pretende utilizar o modelo teórico apresentado por Figueiró (2015), tendo como objetivo mapear os elementos que permitem a integração da temática da sustentabilidade no curso de Administração de uma Universidade Pública Estadual situada em Mossoró-RN. Esta pesquisa pode ser classificada como descritiva e exploratória. Quanto à abordagem, é um estudo de natureza qualitativa. Quanto aos meios de investigação, trata-se de um estudo de caso. O objeto de investigação será o curso de bacharelado em Administração de uma Universidade pública estadual do Rio Grande do Norte, tendo como sujeitos de pesquisa um responsável pelo setor socioambiental, coordenador de curso, professores e alunos. A pesquisa será desenvolvida a partir da estrutura analítica que integra as quatro dimensões operacionais da EpS em gestão: contextual, organizacional, curricular e pedagógica. Quanto aos procedimentos de coleta de dados, serão utilizados a pesquisa documental e entrevista. Os dados coletados serão analisados pela técnica de Análise de conteúdo. A partir desse estudo, pretende-se que novas discussões possam emergir em relação à disseminação da temática da sustentabilidade nos cursos de administração e nas Universidades e contribuir para que outras instituições possam desenvolver ações em prol da criação de um futuro sustentável.

9
  • RAYANNA NAYHARA OLIVEIRA DO NASCIMENTO
  • EFICIÊNCIA DOS BANCOS COMUNITÁRIOS SOB A ÓTICA DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS.

  • Orientador : ALVARO FABIANO PEREIRA DE MACEDO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO FABIANO PEREIRA DE MACEDO
  • KALLYSE PRISCILA SOARES DE OLIVEIRA FREIRE
  • LUCIANA SANTOS COSTA VIEIRA DA SILVA
  • Robson De Faria Silva
  • WESLEY VIEIRA DA SILVA
  • Data: 27/07/2023

  • Mostrar Resumo
  • O Desenvolvimento Local (DL) está associado a ações que pretendem proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas (KISMAN; TASAR, 2014). Essas ações se desencadeiam em várias frentes de atuação, dentre elas, destacam-se as iniciativas de Finanças Solidárias (FS) que objetivam proporcionar a inclusão financeira da parcela da população mais vulnerável, por meio da implementação de sistemas monetários solidários (LAL, 2021). Tendo em vista a importância da construção da pluralidade das formas monetárias para desenvolvimento de uma economia mais centrada no local e na democracia local (VALLET, 2018), bem como a necessidade de verificar aspectos ligados à eficiência e à viabilidade econômica para manutenção dessas iniciativas (DIAS, 2011; CULTI; KOYAMA; TRINDADE, 2010), este estudo tem como objetivo investigar os níveis de eficiência técnica dos Bancos Comunitários de Desenvolvimento (BCD) brasileiros com base na dimensão de produção bancária. Para tanto, realizou-se um estudo descritivo por intermédio da Análise Envoltória de Dados (Data Envelopment Analysis – DEA), modelo BCC com orientação aos inputs e aos outputs, técnica capaz de avaliar o desempenho de determinado conjunto de instituições semelhantes no processo de conversão dos recursos aplicados (inputs) em resultados obtidos (outputs) (COOPER; SEIFORD; ZHU, 2011). No tocante à abrangência do estudo, trabalhou-se com os BCD brasileiros criados até 2018 e que se encontravam em situação ativa. Os resultados apontam para a possibilidade de aprimoramento da eficiência dos BCD nas duas abordagens analisadas. No entanto, destaca-se que o potencial de redução dos insumos, mantendo-se o desempenho das saídas, se mostrou superior em relação ao potencial de maximização da produtividade, mantendo-se o volume de insumos aplicados. No que concerne às características associadas aos bancos, observou-se que os bancos com poucos clientes estão disseminados em todos os níveis de eficiência. No entanto, necessariamente os bancos maiores se encontram nos piores níveis de eficiência técnica. No que diz respeito ao tempo de atuação no mercado, constatou-se que os bancos com menos tempo de atuação obtiveram performance mediana em se tratando da redução máxima dos insumos, e os piores desempenhos de eficiência na maximização dos produtos. Nessa perspectiva, os achados deste trabalho indicam que há espaço para melhorias substanciais de eficiência relacionada com a produtividade bancária nos BCD.


  • Mostrar Abstract
  • O Desenvolvimento Local (DL) está associado a ações que pretendem proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas (KISMAN; TASAR, 2014). Essas ações se desencadeiam em várias frentes de atuação, dentre elas, destacam-se as iniciativas de Finanças Solidárias (FS) que objetivam proporcionar a inclusão financeira da parcela da população mais vulnerável, por meio da implementação de sistemas monetários solidários (LAL, 2021). Tendo em vista a importância da construção da pluralidade das formas monetárias para desenvolvimento de uma economia mais centrada no local e na democracia local (VALLET, 2018), bem como a necessidade de verificar as contribuições práticas que tais iniciativas são capazes de proporcionar (BARBOSA, 2018), este estudo tem como objetivo analisar a relação entre os Bancos Comunitários de Desenvolvimento (BCD) e o DL. Para tanto, pretende-se realizar análise comparativa, por intermédio do Teste t de Student independente, dos indicadores determinantes no que concerne às dimensões econômica (DE), social (DS) e ambiental (DA) que compõem o DL (CALVO-PALOMARES et al., 2021). Para definição dos indicadores, tomar-se-á como base o trabalho desenvolvido por Vélez-Tamay, Carriel e Castillo-Ortega (2021), o qual identificou 19 indicadores divididos nas categorias de renda, emprego, educação, habitação, serviços básicos, saneamento, saúde, segurança, economia de energia e gestão de resíduos como fontes de medição de desempenho das dimensões do DL. No tocante à abrangência do estudo, pretende-se trabalhar com os municípios brasileiros que possuem um sistema monetário comunitário, cuja atuação abrange todo seu território, para terem seus indicadores de DL comparados com outras cidades de mesmo porte que não possuem BCD. Ao buscar relacionar os impactos dos BCD nas cidades frente aos objetivos sociais, econômicos e ambientais esperados, esta pesquisa tenciona para o avanço da literatura tendo em vista a necessidade de verificar as contribuições dos BCD para o DL (BARBOSA, 2018), e a proposição de nova direção de análise sobre o desenvolvimento (VÉLEZ-TAMAY; CARRIEL; CASTILLO-ORTEGA, 2021).

10
  • ROBERTO PORFIRIO DE SOUSA OLIVEIRA
  • PRÁTICAS DE GESTÃO PARA SUSTENTABILIDADE E OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO GRANDE DO NORTE

  • Orientador : CLANDIA MAFFINI GOMES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLANDIA MAFFINI GOMES
  • Jordana Marques Kneipp
  • LILIAN CAPORLINGUA GIESTA CABRAL
  • Data: 15/08/2023

  • Mostrar Resumo
  • A sociedade mundial, por meio do Desenvolvimento Sustentável (DS), busca um desenvolvimento equilibrado, que tenha sustentabilidade em diversas áreas. Busca-se o DS em diversos âmbitos e esferas, na macroeconomia e na microeconomia, a nível global, local, níveis político-institucionais e no mercado privado (DIAS, 2019; BARBIERI, 2016).Um modelo de DS conhecido e disseminado, em especial nas organizações foi o Triple Bottom Line, em que a sustentabilidade é trabalhada em três dimensões: econômica, social e ambiental. Ainda como meio de implantação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), a Organização das Nações Unidas (ONU) propôs, em 2015, uma Agenda 2030, que tem esses 17 objetivos e 169 metas. Então, surge a seguinte questão norteadora deste trabalho: Como as práticas de gestão para sustentabilidade estão associadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável nas universidades públicas do Rio Grande do Norte (RN)? O objetivo geral deste trabalho é analisar as práticas de gestão para sustentabilidade, relacionando-as com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), apontadas na documentação gerencial das universidades públicas do Rio Grande do Norte (RN). E como específicos, temos: Caracterizar o perfil das universidades públicas do RN; analisar o compromisso da gestão das Universidades com o DS; identificar os elementos estratégicos que norteiam as práticas de gestão associadas às temáticas socioambientais; identificar as práticas dessa gestão e associá-las com os ODS. Essa pesquisa se qualifica como do qualitativa, do tipo descritiva e exploratória. Esse trabalho se caracteriza como pesquisa documental. Este estudo tem como objeto de estudo as universidades públicas do RN, duas federais e uma estadual. Aqui elas são nomeadas como “Uni A”, “Uni B” e “Uni C”. Os documentos analisados foram os gerenciais mais atualizados e disponíveis em seu site em abril de 2023: Planos de Desenvolvimento Institucional (PDI), que estabelece diretrizes e a estratégia da IES; os Planos de Gestão da Logística Sustentável (PLS), que é um instrumento estratégico voltado para as estratégias socioambientais da organização; e os Relatórios de Gestão (RG). Os dados foram coletados através de um checklist. Como técnica de análise foi feita Análise de Conteúdo. Então, ao conseguir listar essas práticas foi possível correlaciona-las com os ODS. Observando que foram 37 práticas da Uni A, 22 da Uni B e 21 da Uni C, pôde se perceber que os ODS mais relacionados foram: 8, 3 e 16. Eles dizem respeito, respectivamente, as seguintes temáticas: trabalho decente e crescimento econômico; saúde e bem-estar; e, paz, justiça e instituições eficazes. Nota-se que sendo a maior das universidades estudadas, a Uni B foi a que teve a menor quantidade de práticas de gestão para a sustentabilidade identificadas, mesmo tendo em seu planejamento pontos que se relacionem com o Desenvolvimento Sustentável e a Sustentabilidade. Porém, essa quantidade é próxima da outra universidade federal, a Uni C.


  • Mostrar Abstract
  • Enquanto disseminadoras de conhecimento, as universidades possuem papel estratégico na implantação e divulgação da Gestão Ambiental, na busca da sustentabilidade. E ainda na busca pelo Desenvolvimento Sustentável, a ONU propôs a Agenda 2030, com 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Então, nessas instituições, os ODS têm papel em cada um dos âmbitos que a formam: pesquisa; ensino; extensão; e, na sua própria administração. Assim, este trabalho tem como objetivo geral: analisar as práticas de gestão para sustentabilidade relacionando com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), nas universidades públicas do Rio Grande do Norte. E como específicos: Caracterizar o perfil das universidades públicas do Rio Grande do Norte; Analisar o compromisso da gestão das Universidades com o DS; Identificar os elementos norteadores para as práticas de gestão associadas às temáticas socioambientais; Identificar as práticas dessa gestão e associá-las com os ODS. Esta pesquisa se qualifica como do tipo descritiva e empírica, de abordagem qualitativa. Como procedimentos, se trata de uma pesquisa documental. Serão estudadas as três universidades públicas do RN, através dos seus seguintes documentos disponíveis: Planos de Desenvolvimento Institucional (PDI), Planos de Gestão da Logística Sustentável (PLS) e Relatórios de Gestão (RG). Também poderão ser utilizadas mais algumas informações correlatas e pertinentes as temáticas, conforme disponibilidade nos sites oficiais dessas universidades. Os dados desses documentos serão coletados a partir de um checklist, um roteiro. Quanto a análise de conteúdo será utilizada a técnica de análise de conteúdo.

11
  • ÁLISSON CAIO ABRANTES DE MESQUITA
  • EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DOS DOCENTES E DISCENTES DA ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO

  • Orientador : THAISEANY DE FREITAS REGO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA MARTINS DE OLIVEIRA
  • LILIAN CAPORLINGUA GIESTA CABRAL
  • THAISEANY DE FREITAS REGO
  • Data: 25/08/2023

  • Mostrar Resumo
  • As primeiras discussões a respeito da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) ocorreram nos anos 70, com foco na questão ambiental. Posteriormente, as Instituições de Ensino Superior (IES), especialmente as que oferecem cursos na área de negócio, passaram a tratar sobre a sustentabilidade sob uma perspectiva mais holística e focada nos eixos ambiental, social e econômico. Considerando esses aspectos, o presente estudo objetiva investigar qual a percepção dos docentes e discentes da área de Administração sobre a temática “Educação para o desenvolvimento sustentável”. Tudo isso, porque ao se inserir os preceitos da EDS no processo formativos dos discentes e preparação do corpo docente, entende-se que ambos podem estar aptos para solucionar situações-problema no ambiente organizacional. Para tanto, cabe fazer uso da análise documental dos instrumentos utilizados para fins de organização institucional e da pesquisa descritiva, com a aplicação de dois questionários, um direcionado aos docentes (18) e outro para os discentes da graduação (169) e pós-graduação (47), ambos com vínculo ativo na graduação ou pós-graduação em Administração, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Ante ao exposto, os dados coletados apontam que os documentos institucionais possuem uma abordagem superficial no tocante a temática da EDS. Na percepção dos discentes e docentes quanto as dimensões do DS observa-se certa semelhança, já em relação ao conceito da EDS, os discentes o confunde com a EA, ao passo que os docentes apresentam uma boa compreensão sobre a EDS. Em relação as dimensões do DS os discentes e docentes tem a mesma percepção sobre os ODS, sendo apontados como os mais urgentes aqueles que estão relacionados com a vida em comunidade: “erradicação da pobreza”, “água potável e saneamento”, “fome zero e agricultura sustentável” e “educação de qualidade”.


  • Mostrar Abstract
  • O presente estudo objetiva a analisar como os cursos de graduação e pós-graduação stricto senso em Administração, oferecidos pelas universidades públicas do Estado do Rio Grande do Norte, abordam a temática da Educação para Sustentabilidade. Para tanto, faz-se necessário uma pesquisa qualitativa e descritiva, a pesquisa será dividida em dois momentos com dados secundários e primários. Os dados secundários serão coletados dos documentos institucionais (PDI, PPI, PLS, PPC) das IES, para se observar se a temática da sustentabilidade está inserida em seu cerni e verificar como a instituição orienta os cursos sobre a temática da sustentabilidade. Por sua vez os dados primários serão coletados por meio de entrevista com os docentes e/ou coordenadores dos cursos de graduação e pós-graduação stricto senso em administração, no intuito de verificar o conhecimento dos documentos institucionais, do curso e da própria sustentabilidade, todos os dados coletados nos dois momentos da pesquisa serão analisados pelo método de análise de conteúdo direcionada por Bardin (2016). Logo, espera-se conhecer a forma em que a temática da sustentabilidade é inserida dentro das IES públicas do RN e como elas orientam os seus cursos de graduação e pós-graduação stricto senso em administração a trabalharem essa temática, como também verificar o conhecimento do corpo docente tem sobre a sustentabilidade.

12
  • JOYCE SILVA SOARES DE LIMA
  • TOLERÂNCIA AO RISCO FINANCEIRO E RESILIÊNCIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM GESTORES DE PEQUENOS EMPREENDIMENTOS DO NORDESTE

  • Orientador : WESLEY VIEIRA DA SILVA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO FABIANO PEREIRA DE MACEDO
  • JANDESON DANTAS DA SILVA
  • LIANA HOLANDA NEPOMUCENO NOBRE
  • Data: 30/11/2023

  • Mostrar Resumo
  • A pandemia do novo coronavírus gerou uma crise em todo o conjunto econômico, aumentando o desemprego e a inflação. Essa crise provocou medidas como o isolamento social e o fechamento de mercado, a qual causou impacto direto nas empresas em geral. Uma vez que as organizações buscam se adaptar às variabilidades ocorridas no mercado ao longo do tempo, tal aspecto vai depender de como as organizações monitoram, compreendem e abordam os riscos que enfrentam. Ao enfrentar o risco, o indivíduo pode render-se ou superá-lo, assumindo então um comportamento que poderia se afirmar como resiliente. Desse modo, o presente estudo tem como objetivo principal investigar a relação entre tolerância ao risco financeiro e resiliência organizacional nos gestores de pequenos empreendimentos da região Nordeste. Para tanto, como metodologia foi aplicado um questionário por meio de uma pesquisa survey com o uso das escalas de Tolerância ao Risco e de Resiliência Organizacional para investigar sua relação, tendo como foco os gestores de pequenos empreendimentos da região Nordeste. Os dados foram analisados por meio de Estatísticas Univariadas, Estatísticas Bivariadas e Estatísticas Multivariadas: Análise de Cluster e Análise Fatorial Confirmatória. Como principais resultados, achou-se que a maioria dos gestores possuem uma tolerância ao risco financeiro média ou alta, ou seja, são indivíduos que se engajam em situações de risco. No que se refere às relações entre as dimensões da Resiliência Organizacional e a Tolerância ao Risco Financeiro, os resultados indicaram uma relação diretamente proporcional entre a categoria Capacidade de Adaptação e Tolerância ao Risco Financeiro. Em relação à dimensão Planejamento, os dados indicam não haver diferenças significativas entre os gestores com diferentes níveis de tolerância ao risco. Por fim, com relação a correlação entre as variáveis, os resultados apontaram maiores correlações nos indicadores Recursos internos e Liderança para a categoria Capacidade de Adaptação. Já para a categoria Planejamento, o indicador que apresenta maior correlação com a Tolerância ao risco é o indicador Participação em exercícios. De forma geral, para o construto Resiliência Organizacional, os resultados apontaram maiores correlações no indicador Inovação e criatividade.


  • Mostrar Abstract
  • A pandemia do novo coronavírus gerou uma crise em todo o conjunto econômico, aumentando o desemprego e a inflação. Essa crise provocou medidas como o isolamento social e o fechamento de mercado, a qual causou impacto direto nas empresas em geral. Dessa forma, as empesas precisaram criar soluções criativas e empreendedoras para se manter no mercado de trabalho. As organizações reconhecem as oportunidades que surgem e mudam ou reinventam suas estratégias, como forma de adaptação ao mercado. Essa adaptação forma um padrão de resiliência, conhecido como resiliência financeira. Uma vez que as organizações buscam se adaptar às variabilidades ocorridas no mercado ao longo do tempo, tal aspecto vai depender de como as organizações monitoram, compreendem e abordam os riscos que enfrentam. O risco faz parte de diversas decisões econômicas, e por isso é de suma importância no contexto das finanças. Nesse sentido, a tomada de decisão de uma pessoa também pode ser influenciada pelo nível de tolerância ao risco financeiro. Ao enfrentar o risco, o indivíduo pode render-se ou superá-lo, assumindo então um comportamento que poderia se afirmar como resiliente. Desse modo, o presente estudo tem como objetivo principal investigar a relação entre tolerância ao risco financeiro e resiliência financeira nos pequenos e médios empreendedores da região Nordeste. Para tanto, como metodologia será aplicado um questionário semiestruturado por meio de uma pesquisa survey com o uso das escalas de Tolerância ao Risco e de Resiliência Financeira para investigar sua relação, tendo como foco os pequenos e médios empreendedores da região Nordeste. Os dados serão analisados por meio de Estatísticas Univariadas: Estatísticas Bivariadas: Teste de associação não-paramétricos; Estatísticas Multivariadas: Análise de Cluster, Análise Fatorial Confirmatória e Modelagem por equações estruturais. Como resultados, espera-se que esta pesquisa consiga responder ao problema de pesquisa bem como as perguntas de pesquisa, atendendo dessa forma ao objetivo geral que fora estabelecido.

2022
Dissertações
1
  • SUZANA VIRGINIA DA COSTA REGIS
  • O papel dos influenciadores digitais no processo decisório de compra

  • Orientador : AGOSTINHA MAFALDA BARRA DE OLIVEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • AGOSTINHA MAFALDA BARRA DE OLIVEIRA
  • BRUNA LOURENA DE LIMA DANTAS
  • LILIAN CAPORLINGUA GIESTA CABRAL
  • Data: 17/01/2022

  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste estudo foi analisar o papel dos influenciadores digitais no comportamento de
    compra de suas seguidoras, sendo elas mulheres da geração millenials que residem no
    Nordeste brasileiro. Para alcançar o objetivo, foi realizada uma pesquisa descritiva, com
    abordagem qualitativa, através da realização de entrevistas semiestruturadas, com duração de
    cerca de 40 minutos por meio do Google Meet. Participaram da pesquisa 18 mulheres, sendo
    duas de cada estado do Nordeste e para o tratamento das entrevistas foi realizada a análise de
    conteúdo. Os resultados apresentaram que a maioria das entrevistadas estão solteiras, possuem
    o ensino superior completo e suas ocupações vão desde dona de casa à empreendedora.
    Quanto aos motivos que as levam a seguir influenciadores digitais foram observados: senso
    de aproximação/vida real, entretenimento, inspiração, credibilidade/confiança e em maior
    frequência a identificação, se subdividindo em categorias (personalidade, história de vida,
    biotipo, estilo de vida, regionalismo e ocupação). Em relação as etapas do processo decisório
    de compra, foi observada a presença do influenciador digital no reconhecimento de uma
    necessidade, busca de informação, avaliação das alternativas, efetivação da compra
    influenciada, feedback do produto influenciado e foi possível perceber também o poder
    limitado do influenciador durante esse processo. Por fim, com os resultados, nota-se que o
    influenciador digital também assume o papel de um produto que vem sendo consumido com
    uma frequência cada vez maior e que existem motivos específicos que levam as pessoas a
    acompanhá-los nas mídias sociais, sendo a identificação o mais destacado. E quanto ao
    processo decisório de compra, sua presença foi encontrada com maior força no momento do
    reconhecimento de uma necessidade, embora ele possua um poder limitado durante o
    processo. Este estudo contribui para o meio acadêmico com reflexões relevantes e atuais
    sobre essa temática e ainda pode servir de suporte para gestores que pretendem inserir
    influenciadores digitais em seu planejamento estratégico e para os influenciadores digitais que
    desejam se conectar com um público cada vez maior de maneira eficiente.


  • Mostrar Abstract
  • O objetivo deste estudo foi analisar o papel dos influenciadores digitais no comportamento de
    compra de suas seguidoras, sendo elas mulheres da geração millenials que residem no
    Nordeste brasileiro. Para alcançar o objetivo, foi realizada uma pesquisa descritiva, com
    abordagem qualitativa, através da realização de entrevistas semiestruturadas, com duração de
    cerca de 40 minutos por meio do Google Meet. Participaram da pesquisa 18 mulheres, sendo
    duas de cada estado do Nordeste e para o tratamento das entrevistas foi realizada a análise de
    conteúdo. Os resultados apresentaram que a maioria das entrevistadas estão solteiras, possuem
    o ensino superior completo e suas ocupações vão desde dona de casa à empreendedora.
    Quanto aos motivos que as levam a seguir influenciadores digitais foram observados: senso
    de aproximação/vida real, entretenimento, inspiração, credibilidade/confiança e em maior
    frequência a identificação, se subdividindo em categorias (personalidade, história de vida,
    biotipo, estilo de vida, regionalismo e ocupação). Em relação as etapas do processo decisório
    de compra, foi observada a presença do influenciador digital no reconhecimento de uma
    necessidade, busca de informação, avaliação das alternativas, efetivação da compra
    influenciada, feedback do produto influenciado e foi possível perceber também o poder
    limitado do influenciador durante esse processo. Por fim, com os resultados, nota-se que o
    influenciador digital também assume o papel de um produto que vem sendo consumido com
    uma frequência cada vez maior e que existem motivos específicos que levam as pessoas a
    acompanhá-los nas mídias sociais, sendo a identificação o mais destacado. E quanto ao
    processo decisório de compra, sua presença foi encontrada com maior força no momento do
    reconhecimento de uma necessidade, embora ele possua um poder limitado durante o
    processo. Este estudo contribui para o meio acadêmico com reflexões relevantes e atuais
    sobre essa temática e ainda pode servir de suporte para gestores que pretendem inserir
    influenciadores digitais em seu planejamento estratégico e para os influenciadores digitais que
    desejam se conectar com um público cada vez maior de maneira eficiente.

2
  • LEVI CUNHA BRAGA
  • RADAR DA INOVAÇÃO: UMA ANÁLISE DO GRAU DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL EM EMPRESAS GRADUADAS

  • Orientador : ANA MARIA MAGALHAES CORREIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA LUCIA BRENNER BARRETO MIRANDA
  • ANA MARIA MAGALHAES CORREIA
  • HELEN SILVA GONCALVES
  • NAPIE GALVE ARAUJO SILVA
  • Data: 17/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo analisar o grau de inovação organizacional das empresas graduadas localizadas em incubadoras no Rio Grande do Norte. Os objetivos específicos, são: identificar o perfil das empresas graduadas; identificar as ações de inovação propostas pelas empresas graduadas; aplicar o radar da inovação nas empresas graduadas e analisar as dimensões propostas pelo radar da inovação nas empresas graduadas. A justificativa pela escolha do ambiente de estudo se dá pelo fato de esses ambientes estarem em constante crescimento e desenvolvimento. Este trabalho tem como base teórica o entendimento e à percepção do fator inovação pelas sociedades, conceitos de inovação que apontam sua importância para o âmbito empresarial, uma apresentação das tipologias de inovação, os modelos de mensuração nas empresas, o conceito do radar de inovação e como essa ferramenta pode auxiliar e medir o grau de inovação; por fim, o processo de incubação e a definição de empresas graduadas de base tecnológica, para, assim, facilitar o entendimento do leitor acerca dos temas que fazem parte desta pesquisa. Esta pesquisa é considerada qualitativa, exploratória, descritiva e bibliográfica. Os intrumentos de coleta utilizados foram questionário e entrevista semi-estruturada. Para a análise dos dados do roteiro de entrevista, foi utilizada a análise interpretativa. Foram entrevistados 9 (nove) empreendedores das Empresas Graduadas. Por se tratar de um estudo que envolve seres humanos, a proposta da pesquisa foi submetida no dia 20 de junho de 2021, e aprovada dia 30 de julho de 2021, pelo comitê de ética (CAAE: 47210821.8.0000.5294). Em relação aos resultados, verificou-se que as empresas graduadas são inovadoras ocasionais, com média de 3,49, em decorrência da existência de inovações de grande impacto organizacional nos últimos 3 (três) anos. É interessante mencionar que das 9 (nove) Empresas Graduadas estudadas, 7 (sete) apresentaram médias acima de 3,0, consideradas empresas inovadoras ocasionais, e as outras 2 (duas) empresas graduadas, com médias pouco acima de 2,0, analisadas em pouco ou nada inovadora. Várias ações inovadoras implantadas foram citadas pelos empreendedores, como: inovação nos produtos, marketing digital, melhoria no portfólio comercial, implantação de sistema de acompanhamento de projetos, inovações nos processos, etc. As inovações mais citadas foram mudanças nos produtos e a criação de novas estratégias de marketing. Conclui-se que a pesquisa contribui para a geração do conhecimento teórico e prático. Na perspectiva teórica, foi visto a possibilidade de melhorias nas dimensões do radar, e a sugestão de novas dimensões para o radar da inovação. No cenário prático, as empresas graduadas através do grau de maturidade, tiveram a oportunidade de analisar o estágio atual das suas empresas nas 13 (treze) dimensões estudadas. Além disso, puderam comparar e refletir, sobre suas maiores dificuldades, e transformar em ações para a busca de melhorias. E através das informações levantadas e analisadas, verificou-se que as empresas graduadas do Rio Grande do Norte, em sua maioria, são empresas inovadoras.


  • Mostrar Abstract
  • No cenário mundial altamente competitivo a maior preocupação das empresas é como
    produzir e competir com as mudanças repentinas do mercado em geral. As inovações são
    capazes de gerar vantagens competitivas a médio e longo prazo, por isso, inovar torna-se
    essencial para a sustentabilidade e produtividade das empresas. Segundo Ocampo, Iacono e
    Leandro (2019), a inovação é compreendida como um processo e, portanto, pode ser realizada
    através de um conjunto de etapas: buscar, selecionar e implementar. Apesar de estar dividido
    em apenas três etapas, tal processo não é trivial e a realização das fases e atividades são
    consideradas complexas, que envolvem várias esferas de conhecimento, tais como estratégia
    ( business case ), comercialização ( marketing) , desenvolvimento de produtos ( design ),
    prototipação-teste e validação, entre outros.
    No Manual de Oslo (OCDE, 1997) a inovação é caracterizada como a criação de novos
    produtos ou tecnologias, nas áreas de P&D ou marketing. A aquisição de novas tecnologias é
    uma atividade inovadora, então inovar é fazer uso de tecnologias existentes de outras maneiras.
    Ainda para o Manual de Oslo, as vantagens de se investir em inovação podem ser assim
    definidas: o impacto no desempenho da empresa é diferente do impacto na receita e na
    participação nas mudanças de produtividade e eficiência (OCDE, 1997). Outros impactos
    significativos estão relacionados às mudanças na competitividade e na produtividade total dos
    fatores, os conhecimentos das inovações realizadas nas empresas, e um montante de
    conhecimentos nas redes. Ou seja, as empresas precisam inovar para se manterem competitivas
    e buscar novas tecnologias para se destacar no mercado de trabalho (OCDE, 1997).
    De acordo com Schumpeter (1998) é possível perceber que a ideia de inovação está
    sempre associada a mudanças, a novas combinações de fatores que rompem com o equilíbrio
    existente. A inovação é considerada um recurso indispensável em mercados altamente
    competitivos e seu objetivo é obter maior eficiência econômica e financeira para as empresas
    6
    (BROWN; KIMBROUGH, 2011; MIRANDA, et al. 2015; SANTOS, VASCONCELOS; DE
    LUCA, 2013).
    Além disso, inovar é um processo arriscado: o sucesso não é garantido e há muitas
    dificuldades no caminho. Coad, Pellegrino e Savona (2015) afirmam que as barreiras à
    inovação não se concentram apenas em falhas de mercado, mas podem estar relacionadas a
    falhas sistêmicas da empresa difíceis de superar e que podem ser prejudiciais à produtividade
    da organização. Além de problemas financeiros, devem ser observados outras questões, tais
    como a falta de informações sobre novas tecnologias e nichos de mercados, a falta de
    habilidades adequadas e uma estrutura de mercado altamente concentrada (COAD;
    PELLEGRINO; SAVONA, 2015).
    Dessa forma, as empresas para se manterem presentes no mercado precisam implantar
    melhorias nos processos operacionais e no sistema de gestão, portanto a inovação não se trata
    apenas da criação de algo novo, mas sim de melhorar práticas ou produtos existentes. Visando
    esta melhoria, o radar da inovação foi desenvolvido para analisar a inovação das empresas
    dividido em quatro eixos: clientes, processos, presença e ofertas da empresas, esses eixos são
    subdivididos em doze dimensões: oferta, plataforma, solução, cliente, experiência do cliente,
    valor, processo, organização, cadeia de fornecimento, presença, rede e marca.
    O radar da inovação foi originalmente proposto por Sawhney, Wolcott e Arroniz (2006),
    e adaptado para o contexto das micro e pequenas empresas (MPE’s) com a inclusão de mais
    uma dimensão: ambiência inovadora por Bachmann e Destefani (2008). Esta ferramenta tem o
    objetivo de contribuir para o alcance de vantagem competitiva, uma vez que esta mostra em
    quais dimensões as empresas têm inovado, ao mesmo tempo em que aponta quais dimensões
    ainda precisam inovar.
    O radar da inovação pode auxiliar as empresas na realização de um auto diagnóstico geral
    das inovações nos processos e no sistema de gestão e também na identificação de
    oportunidades, principalmente por meio da comparação com os concorrentes (SAWHNEY;
    WOLCOTT; ARRONIZ, 2006). Além disso, Carvalho et al. (2015) afirmam que o radar da
    inovação pode ser aplicado em empresas de qualquer setor, porém, cada setor difere na
    intensidade do uso da inovação, mas tem semelhanças no que diz respeito às dimensões em que
    a inovação ocorre. Dessa forma, esta ferramenta pode ajudar as incubadoras tecnológicas a
    detectar em quais dimensões as empresas nela instaladas, precisam de aperfeiçoamento.

    Com relação ao quantitativo de incubadoras no Brasil, de acordo com os dados obtidos por meio de uma colaboração entre o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), a ANPROTEC e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), até 2019, havia cerca de 363 incubadoras de empresas em todo o território nacional, enquanto que, destas, 18 se localizam no Rio Grande do Norte. Já

    com relação ao número de empresas, o estudo apontou a existência de 3694 empresas incubadas e 6143 graduadas (ANPROTEC, 2019). Estes dados reforçam a relevância destes tipos de empresas para a economia do país, pois, segundo o estudo já citado anteriormente, no ano de 2017, empresas incubadas foram responsáveis por gerar 14.457 vagas de emprego, o que resultou num faturamento de R$ 551 milhões, o que é certamente, um quantitativo significativo para a economia brasileira.
    Diante do panorama apresentado, da atualidade do tema e considerando a inovação como item fundamental para a sobrevivência das incubadoras e das empresas graduadas, essa pesquisa busca responder a seguinte questão:
    Qual o grau de inovação organizacional das empresas graduadas localizadas em Incubadoras de empresas de Mossoró/RN?

3
  • ALINE FRANCILURDES NERY DO VALE
  • EFEITOS DA SOMATIZAÇÃO DA COVID-19 E DO CONTEXTO DE TRABALHO SOBRE O JOB EMBEDDEDNESS EM DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR

  • Orientador : LUCIA REJANE DA ROSA GAMA MADRUGA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLANDIA MAFFINI GOMES
  • JULIANA CARVALHO DE SOUSA
  • LIANA HOLANDA NEPOMUCENO NOBRE
  • LUCIA REJANE DA ROSA GAMA MADRUGA
  • Data: 04/04/2022

  • Mostrar Resumo
  • Analisar o efeito da somatização da COVID-19 e do Contexto de Trabalho sobre Job Embeddedness em Docentes do Ensino Superior. Esta pesquisa caracteriza-se como descritiva e explicativa. Quanto à natureza, trata-se de uma pesquisa quantitativa, do tipo survey. O universo de pesquisa consiste nos docentes de instituições públicas e privadas de ensino superior das regiões nordeste e sul do Brasil. A amostra foi não probabilística e por conveniência obtendo uma amostra de 204 participantes. Quanto às técnicas de análise, utilizou-se a análise fatorial exploratória (AFE), a Análise Fatorial Confirmatória (AFC) e a Modelagem de Equações Estruturais (MEE). Os dados serão analisados com o auxílio do software SPSS – Statistical Package for the Social Sciences, versão 2.7 e do software AMOS – Analysis Of MOment Structures. Os resultados evidenciam que a Somatização exerce um efeito negativo sobre o JE, podendo-se concluir que a partir da ansiedade e melancolia gerados pela pandemia, os docentes apresentam menor desejo de permanecer naquela atividade/função. Além disso, com relação a somatização da COVID-19, tem-se que quanto maior a ansiedade e a melancolia do docente, mais insatisfeito estará com o seu contexto de trabalho (relações socioprofissionais, organização do trabalho e condições de trabalho). Vale destacar que não houve associação significativa ao relacionar a somatização da COVID-19 com o JE. No que se associa a relação entre Contexto de Trabalho e JE, os resultados evidenciaram que um aumento na insatisfação com o contexto do trabalho provoca uma diminuição no JE. Em conclusão, tem-se que a busca por reduzir possíveis questão de rotatividade organizacional perpassa por condições de trabalho exequíveis para os docentes dentro nos diferentes modais de ensino, fazendo necessário considerar a tendência pós pandemia, na qual visa adotar um caráter híbrido, mantendo parte de suas atividades de ensino no remoto. Ademais, vale destacar a perspectiva da originalidade, atualidade e rigor metodológico da presente pesquisa.


  • Mostrar Abstract
  • As pesquisas sobre rotatividade dos trabalhadores nas organizações abordam os diversos motivos pelos quais os funcionários decidem sair de seus empregos. Em contrapartida, os estudos sobre Job Embeddedness (JE), buscam compreender as motivações para que eles permaneçam. De acordo com este construto psicológico, os funcionários que estão fortemente incorporados às organizações onde trabalham e comunidade em que convivem se tornam menos predispostos a saírem voluntariamente de seus empregos (COETZER; POISAT, 2017). Este processo de incorporação dos funcionários envolve aspectos situacionais do ambiente interno e externo em que o indivíduo está inserido e que influenciam em sua decisão de ficar em uma organização (RINGL, 2013). 

    Nesta perspectiva, é possível atentar a importância de manter os funcionários fortemente ligados ao seu meio de trabalho, dentro e fora dele (KARATEPE, 2018), uma vez que a rotatividade voluntária, ou seja, a saída do indivíduo do seu emprego por conta própria, é muito onerosa e ineficiente para as organizações (BERGIE et al., 2009; NGUYEN; TAYLOR; BERGIEL, 2016), principalmente no que tange aos custos de recrutamento e seleção para encontrar um novo substituto e, consequentemente, despesas com treinamentos para capacitá-lo ao cargo (RINGL, 2013). Incorrem na mesma linha de raciocínio as questões sobre a qualidade do serviço e perda de produtividade devido à interrupção de atividades organizacionais, além dos efeitos negativos envolvendo a cultura da organização, a ética do funcionário e o capital social (CANDAN, 2016). Portanto, a retenção de trabalhadores na organização é um dos maiores desafios dos gestores na atualidade, especificamente daqueles cujo objetivo é obter uma posição favorável no mercado em relação aos seus concorrentes (MALLOL; HOLTOM; LEE, 2007).

    Ademais, pesquisadores investigaram casos em que a rotatividade pode ocorrer apesar da elevada satisfação no trabalho e influência do mercado, de modo que a rotatividade pode ser moderada por fatores fora do trabalho, mas que permeiam a vida do trabalhador, fazendo com que ele sinta-se ou não enraizado à organização; isso inclui ligações familiares e conflitos entre família e trabalho, uma vez que as relações entre vida familiar e profissional estão inteiramente ligadas, sendo, inclusive, indicadores que se sobrepõem ao comprometimento organizacional para um indivíduo abandonar o emprego (LEE et al., 1999). Acrescido a isto, Cohen (1995) explica que fatores externos ao trabalho, como família, hobbies, religião, dentre outros, influenciam as atitudes do indivíduo com relação ao trabalho.

    Na tentativa de compreender o que retém os funcionários em uma organização, muitos cientistas sociais e profissionais fizeram perguntas como: “Por quais motivos as pessoas saem de seus empregos e quais fatores que a fazem permanecer?”, todavia, as respostas a estas questões, foram, por muitos anos, baseadas em teorias como satisfação e comprometimento organizacional, ou seja, aquele indivíduo que está satisfeito com seu emprego e comprometido com a organização onde trabalha, permanece em seu trabalho, mas aquele que não está, prefere sair (MITCHEL et al., 2001). Soma-se a isto, a influência do mercado de trabalho sobre a rotatividade através da avaliação de alternativas de outras propostas de trabalho (MALLOL; HOLTOM; LEE, 2007).

    Porém, todas essas conjecturas desempenham apenas um pequeno papel no que tange a retenção e a saída dos funcionários de uma organização, deixando lacunas sobre como os empregadores poderiam aumentar o envolvimento dos funcionários em seus empregos e influenciar a sua permanência ou quais fatores fazem com que os funcionários se tornem incorporados em seus trabalhos para impedi-los de deixarem a organização (MITCHELL et al., 2001). Portanto, o JE perpassa as teorias que se baseavam em identificar tão somente os motivos que levavam os trabalhadores a deixarem os seus empregos e busca compreender o porquê eles ficam (GONÇALVES, 2014).

    Neste ínterim, a grande contribuição do constructo de Mitchell e Lee em relação aos modelos anteriores está em compreender não apenas os fatores “dentro do trabalho”, ligados à organização onde o indivíduo trabalha, mas também os fatores “fora do trabalho”, ligados à comunidade onde o indivíduo convive e que influenciam a sua permanência na organização (BERGIEL et al., 2009).

    Não obstante, o comportamento humano nas organizações passou a receber uma maior atenção por parte dos gestores e pesquisadores, de maneira mais evidente, após as transformações ocorridas no âmbito social e econômico (FARSEN; COSTA; SILVA, 2018), consequências da globalização de mercados, das inovações tecnológicas e dos novos modelos de gestão, que afetaram a natureza e o sentido do trabalho e, de mesmo modo, o perfil esperado do trabalhador (MARQUES, 2018).

    O processo de trabalho é caracterizado por ritmos intensos, cargas horárias excessivas, rigoroso controle de atividades e cobranças no ambiente laboral (CAMPOS; DAVID, 2010), de modo que, o profissional inserido em um contexto de trabalho inapropriado tende a desenvolver sinais de estresse e sobrecarga, sendo levado ao esgotamento físico ou mental, o que interfere no seu desempenho no trabalho e compromete a qualidade do serviço prestado. O contexto de trabalho se constitui do espaço social em que estão inseridas a organização do trabalho, as condições de trabalho e as relações socioprofissionais. Essas três dimensões abrangem os elementos materiais, organizacionais e sociais que influenciam no desenvolvimento das atividades laborais e nas estratégias de mediação individual e coletiva no ambiente de trabalho (FERREIRA; MENDES, 2020).

    Diante do exposto, a organização do trabalho, as condições do trabalho e as relações existentes no contexto de trabalho podem afetar direta ou indiretamente na vida dos trabalhadores e nos resultados alcançados pela organização (CAMPOS; DAVID, 2010). Em vistas disto, analisar como os trabalhadores enxergam seu ambiente de trabalho é crucial para a adoção de mudanças que tenham como objetivo assegurar o bem-estar no trabalho além da eficácia e eficiência dos processos produtivos (FERREIRA; MENDES, 2008), tornando a questão do contexto de trabalho um fator relevante para embasar práticas de gestão (SILVA; GOMES; ALVES, 2017).

    Merece atenção nesse momento histórico, o contexto da pandemia com o surgimento de um novo coronavírus (SARS-CoV-2), posteriormente denominado COVID-19; responsável por ocasionar tanto resfriados comuns quanto doenças mais perigosas, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), podendo causar infecções respiratórias e sendo transmitido de animais para humanos (ABODUNRIN; OLOYE; ADESOLA, 2020). Esse vírus, cuja origem é proveniente dos mercados húmidos de Wuhan, província de Hubei, na China, foi identificado pelas autoridades chinesas em 7 de janeiro de 2020 e, sua disseminação foi considerada como uma pandemia de interesse internacional pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 11 de março de 2020, após contaminar mais de 118.000 pessoas em apenas três meses e causar 4.291 mortes em 114 países (BAVEL et al., 2020).

    Com a avançada disseminação da COVID-19, governos de todos os países adotaram severas medidas para restinguir a propagação do vírus, como extrema quarentena e isolamento social, o que estagnou diversos setores sociais e econômicos (HE. HARRIS, 2020). No setor de hotelaria e turismo, essas ações resultaram em suspensão de viagens e o fechamento de fronteiras (BAUM; HAI, 2020); no comércio, houve um declínio de 13%, demarcando uma recessão econômica maior que a da Segunda Guerra Mundial (VIDYA; PRABHEESH, 2020); lojas e fábricas que vendem itens não essenciais foram fechadas (KHAN; KHAN, 2020); e com uma queda global na demanda por hotéis e restaurantes, os preços das commodities agrícolas caíram em 20% (NICOLA et al., 2020). 

    Do mesmo modo, a pandemia da COVID-19 também acarretou uma crise sem precedentes na educação (FLORES; GAGO, 2020; NICOLA, 2020). Como efeito, as aulas presenciais, comuns na modalidade tradicional de ensino, foram suspensas e muitas  atividades presenciais do setor foram canceladas (JENA, 2020), tornando a pandemia um desafio em todos os níveis educacionais e, afetando, sobremaneira, as instituições de ensino superior (IES) (NICOLA, 2020). Segundo Ratten (2020), as interrupções das atividades na educação, em meados de abril de 2020, afetou mais de 1,6 bilhão de alunos, o equivalente a 91% do total de estudantes no mundo. Em contrapartida, 63 milhões de professores foram impactados em 165 países, de acordo com as Organizações das Nações Unidades para a Educação, a Ciência e Cultura (UNESCO, 2020).

    Como consequência, mais de 100 países estabeleceram que as atividades essenciais(a educação não é considerada essencial), como a educação, fossem exercidas na modalidade remota (BERGDAHI; NOURI, 2020; NICOLA et al., 2020). No Brasil não foi diferente, a portaria MEC nº 544, de 16 de Junho de 2020, “dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais, enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - Covid-19”. Em vistas disto, as IES aderiram a esta recomendação e passaram a ofertar as atividades educacionais em um modelo de ensino online, mediado por tecnologias de informação e comunicação (TIC) (TORRES; COSTA; ALVES, 2020), utilizando softwares institucionais próprios ou plataformas digitais disponíveis ao público de forma gratuita (SEPULVEDA-ESCOBAR; MORRISON, 2020).

    Ressalva-se que, nas duas últimas décadas, as TIC foram difundidas em diversas IES, sendo utilizadas mais evidentemente por aquelas que ofertam cursos à distância; todavia, com o surto pandêmico da COVID-19, essas tecnologias passaram a ser empregadas de maneira massiva em IES que atuavam na modalidade de ensino tradicional (CALDERÓN; MACPHAIL; MOODY, 2020). Nesse contexto, o ensino remoto trouxe oportunidades e desafios para os discentes e professores que precisam atuar de forma proativa no desenvolvimento de suas atividades, estabelecendo uma resposta eficiente à crise causada pela pandemia da COVID-19 (FLORES; GAGO, 2020; RATTEN, 2020).

    Diante disso, os alunos tiveram que se adaptar instantaneamente às ferramentas tecnológicas e disporem de recursos da internet para o ensino remoto (QUEZADA; BELEN; PARKER, 2020; FLORES; SWENNEN, 2020). De mesmo modo, os professores asumiram a responsabilidade de utilizar as ferramentas tecnologicas apropriadas à transição de conteúdo no ambiente virtual (CHRITSTIAN; MCARTY; BROWN, 2020), e que assegurassem a qualidade do processo de ensino (RAPANTA et al., 2020).

    Entretanto, mesmo com inúmeras tecnologias de suporte ao ensino online, muitos professores que trabalhavam dando aula presencial não estavam preparados para lidar com as mudanças no contexto de trabalho e ao menos passaram por treinamentos; além disto, assim como os discentes, os professores enfrentam problemas relacionados ao acesso à internet e falta de infraestrutura técnica (CHRISTIAN; MCARTY; BROWN, 2020).

    Ademais, os professores passaram a ministrar suas aulas em casa, sem suporte técnico adequado e, muitas vezes, sem o conhecimento necessário para atuar em plataformas digitais (RAPANTA et al., 2020). Nesse contexto, os professores passaram a enfrentar distrações durante as aulas e avaliações online, especificamente devido às intervenções dos membros da família (JOSHI; VINAY; BHASKAR, 2020), o que pode acarretar em conflitos entre a vida pessoal e profissional (HOUSTON; MEYER; PAEWAI, 2020), estresse ocupacional e sobrecarga no trabalho (RAPANTA et al., 2020), preocupação com a permanência no emprego e satisfação das próprias necessidades básicas CHRISTIAN; MCARTY; BROWN, 2020).

    Em decorrência das mudanças em todos os aspectos do sistema econômico, incluindo contexto de trabalho, efeitos na demografia da força do trabalho e adaptações tecnológicas; o mercado de trabalho, setores específicos da economia e determinados grupos ocupacionais podem sofrer com impactos positivos ou negativos (como os novos arranjos de trabalho), levando um crescimento ou declínio em diferentes grupos ocupacionais (KRAMER; KARMER, 2020). Nesse contexto, é imprescindível analisar o contexto de trabalho dos docentes universitários e o seu nível de Job Embeddedness, com vistas a compreender as motivações que os fizeram permanecer em seus trabalhos mesmo diante do choque econômico e social causado pela pandemia da covid-19.

    É importante salientar que embora existam alguns estudos abordando a teoria JE (MITCHELL; LEE, 2001; NG; FELDMAN, 2009; LEE et al., 2014; WATSON; OLSON-BUCHANAN, 2016; AMPOLFO; COETZER; POISAT, 2017; GONGALVES, 2014; DIRICAN; ERDILL, 2020) e acerca do construto Contexto de Trabalho (SILVA; LIMA; PEREIRA, 2016; SILVA; GOMES; ALVES, 2017; MARQUES, 2018), não foram encontrados, com base na busca realizada na Web of Science, estudos correlacionando ambas as temáticas. Além disto, uma busca na literatura nacional e internacional demonstrou que são incipientes os estudos teóricos e empíricos que abordam os impactos da pandemia no contexto de trabalho dos docentes universitários, sobretudo por se tratar de um tema novo e atemporal. Diante deste gap de pesquisa, a problemática que norteia este estudo é: Qual o efeito da somatização da covid-19 e do Contexto de Trabalho sobre o Job Embeddedness em docentes do ensino superior?

4
  • LISSANDRO ARIELLE VALE BATISTA
  • RELAÇÃO ENTRE EFICIÊNCIA DOS GASTOS PÚBLICOS NOS CURSOS PRESENCIAIS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DO BRASIL E NÍVEIS DE DISCLOSURE.

  • Orientador : WESLEY VIEIRA DA SILVA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLAUDIMAR PEREIRA DA VEIGA
  • FABIO CHAVES NOBRE
  • LUCIANA SANTOS COSTA VIEIRA DA SILVA
  • LUCIANO LUIZ DALAZEN
  • WESLEY VIEIRA DA SILVA
  • Data: 27/04/2022

  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação visa investigar a relação existente entre a eficiência dos gastos públicos com o nível de disclosure dos cursos presenciais de graduação em administração das instituições públicas brasileiras. O estudo é de suma importância para identificar o nível de eficiência dos cursos quanto à aplicação de recursos públicos, assim como o nível de transparência das informações dos cursos mediante suas páginas digitais. A sociedade cobra intensamente eficiência do gasto público nas instituições públicas, principalmente nas universidades públicas, tendo em vista os questionamentos sobre o investimento na educação nos últimos tempos. A transparência dos dados e o acesso à informação são, na atualidade, tópicos que os órgãos de controle e a sociedade visam demasiadamente nas instituições públicas. Esta pesquisa possui natureza quantitativa, utilizando métricas de programação linear e estatística. O trabalho contou com uma amostra de 166 cursos presenciais de graduação em administração, sendo 91 de universidades federais e 31 de universidades estaduais. Para atingir o objetivo da pesquisa, utilizou-se a Análise Envoltória de Dados (DEA), modelo Banker, Charnes e Cooper (BCC), orientada pra output, para avaliar o nível de eficiência dos cursos. Mensurou-se o nível de disclosure por meio de pesquisas nas páginas oficiais dos cursos de administração, definindo-se 71 itens para análise. Utilizou-se a regressão logística binária para verificar a conformidade do modelo utilizado. Os resultados mostraram que a maioria dos cursos não são eficientes e que o nível de disclosure dos cursos é muito baixo. As instituições federais se destacaram na média dos níveis de eficiência e de disclosure, enquanto as estaduais obtiveram as menores médias.


  • Mostrar Abstract
  • A presente dissertação visa investigar a relação existente entre a eficiência dos gastos públicos com o nível de disclosure dos cursos presenciais de graduação em administração das instituições públicas brasileiras. O estudo é de suma importância para identificar o nível de eficiência dos cursos quanto à aplicação de recursos públicos, assim como o nível de transparência das informações dos cursos mediante suas páginas digitais. A sociedade cobra intensamente eficiência do gasto público nas instituições públicas, principalmente nas universidades públicas, tendo em vista os questionamentos sobre o investimento na educação nos últimos tempos. A transparência dos dados e o acesso à informação são, na atualidade, tópicos que os órgãos de controle e a sociedade visam demasiadamente nas instituições públicas. Esta pesquisa possui natureza quantitativa, utilizando métricas de programação linear e estatística. O trabalho contou com uma amostra de 166 cursos presenciais de graduação em administração, sendo 91 de universidades federais e 31 de universidades estaduais. Para atingir o objetivo da pesquisa, utilizou-se a Análise Envoltória de Dados (DEA), modelo Banker, Charnes e Cooper (BCC), orientada pra output, para avaliar o nível de eficiência dos cursos. Mensurou-se o nível de disclosure por meio de pesquisas nas páginas oficiais dos cursos de administração, definindo-se 71 itens para análise. Utilizou-se a regressão logística binária para verificar a conformidade do modelo utilizado. Os resultados mostraram que a maioria dos cursos não são eficientes e que o nível de disclosure dos cursos é muito baixo. As instituições federais se destacaram na média dos níveis de eficiência e de disclosure, enquanto as estaduais obtiveram as menores médias.

5
  • ALEXANDRE HENRIQUE CAVALCANTE DA COSTA
  • INFLUÊNCIA DO OTIMISMO, EXCESSO DE CONFIANÇA E DA PERCEPÇÃO DE RISCO NAS DECISÕES DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS NO CONTEXTO DA PANDEMIA DO COVID-19

  • Orientador : LIANA HOLANDA NEPOMUCENO NOBRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LIANA HOLANDA NEPOMUCENO NOBRE
  • WESLEY VIEIRA DA SILVA
  • FABIO CHAVES NOBRE
  • LUCIANO LUIZ DALAZEN
  • Data: 03/06/2022

  • Mostrar Resumo
  • O mundo passa por um grande desafio com a crise global de saúde provocada pela pandemia do coronavírus (COVID-19) com reflexos em todos os aspectos da vida humana, incluindo impactos causados na economia de todos os setores da sociedade. Nesse cenário inconstante e de bastante incerteza, os tomadores de decisão devem agir de forma a responder aos desafios causados por essa crise. Neste contexto, o objetivo geral deste trabalho é analisar a influência do otimismo, excesso de confiança e da percepção de risco na decisão de investimento (desinvestimento) de iniciar, expandir, manter, reduzir ou encerrar o negócio no contexto da pandemia do COVID-19. Foi desenvolvido um estudo descritivo e explicativo, de abordagem quantitativa. Foram aplicados questionários físicos com visita direta aos estabelecimentos. O otimismo e o excesso de confiança foram mensurados, individualmente, pela escala de Paula et al. (2020) e a percepção de risco pela escala adaptada de Robinson e Marino (2013). Os resultados confirmaram que o viés do otimismo e o viés do excesso de confiança são altamente correlacionados, e que de maneira geral os gestores apresentam esses vieses, em qualquer das situações de investimento identificadas. Com relação a percepção de risco, observou-se maior variabilidade entre os respondentes, sendo mais evidente entre os empresários que reduziram os investimentos durante a pandemia. Observou-se o efeito direto entre a percepção de risco dos empresários pesquisados e a decisão de desinvestir, enquanto os vieses comportamentais estudados, por estarem presentes sistematicamente nos empresários, apresentaram pouca ou nenhuma capacidade de discriminação em relação às decisões de investimento. A contribuição desta dissertação se referiu a descrever e identificar nos gestores os vieses do otimismo e do excesso de confiança, assim como a percepção de risco, analisando a relação com as decisões de investimento com intuito de auxiliar a melhor tomada de decisão em períodos incertos como o vivenciado durante o estudo.


  • Mostrar Abstract
  • A tomada de decisão nas organizações é uma tarefa praticada diariamente pelos variados atores que a compõe, desde as mais simples as mais complexas, assim como são vários os fatores que podem influenciar essas decisões. Nos estudos sobre finanças, é evidente a evolução sobre o tema relacionado a tomada de decisão, em que duas correntes teóricas discutem a racionalidade perfeita e a racionalidade limitada do tomador de decisão, e são elas, respectivamente, a teoria clássica em finanças e a teoria das finanças comportamentais (IQUIAPAZA; AMARAL; BRESSAN, 2009). Para as Finanças Clássicas, a tomada de decisão decorre de um modelo prescritivo e determinístico, uma vez que se entende que as organizações estão em um contexto de mercados eficientes e os indivíduos agem de acordo com uma racionalidade perfeita. Para as Finanças Comportamentais, por outro lado, admite-se a existência de desvios de racionalidade, muitas vezes decorrente de heurísticas e vieses comportamentais dos indivíduos. Sob a ótica das Finanças Comportamentais, os cenários de incerteza compõem um contexto ainda mais desafiador para o estudo das decisões e comportamentos ante o risco, dado que o comportamento dos indivíduos sofre tais desvios em relação a um comportamento considerado como ideal pelas Finanças Clássicas.

    O contexto das organizações antes da pandemia do COVID-19 já era considerado complexo e incerto: Os avanços tecnológicos, a concorrência globalizada, a maior exigência e as constantes mudanças nos hábitos dos consumidores são alguns dos motivos que vem aumentando a competitividade entre as organizações. As transformações nos ambientes organizacionais, necessitam de uma adaptação cada vez mais rápida, a fim de que se consiga manter a rentabilidade e continuidade dos negócios (Pradella, 2013). Os achados de Nobre (2018) indicam que fatores ligados ao contexto macroeconômico estão mais atrelados à decisão de desinvestir do que à decisão de investir, ressaltando que tais elementos afetam o contexto das organizações acrescentando complexidade ao contexto em que elas estão inseridas. A crise sanitária, uma situação inesperada, instaurada e rapidamente difundida no mundo, se insere como um destes fatores, acrescentando mais incerteza a este contexto. O contexto atual se trata de momento inédito na sociedade contemporânea, trazendo reflexos estruturais e desafiando indivíduos a tomarem decisões relacionada aos negócios de forma a tentar minimizar as perdas.

    O conceito de incerteza já foi bastante discutido na literatura, principalmente relacionado com a diferenciação do seu significado com o de risco. Segundo Knight (1921), importante autor que tratou sobre este tema, a diferença entre risco e incerteza se dá sobre a possibilidade de se fazer estimativa de um evento ou não, sendo o risco quantificável e a incerteza não quantificável. Andrade (2011) discute o conceito de incerteza, dialogando a abordagem de autores clássicos, como Knigth, Keynes, Shackle e Davison, e que mesmo com algumas divergências, eles compartilham dessa diferença com o conceito de risco, relativo ao aspecto da mensurabilidade. De acordo com Andrade (2004) inicialmente é importante considerar que ambientes incertos transformam o conhecimento, deixando-o passível de falha e cheio de dúvidas.

    A teoria clássica em finanças considerava que o homem tinha racionalidade perfeita, de forma que possuía conhecimento dos aspectos mais relevantes do ambiente ao qual estava inserido, ou no mínimo, da maior parte deles e de forma clara, e que com suas habilidades, era capaz de analisar todas as variáveis disponíveis e tomar as decisões de forma racional. Em contrapartida a ideia de racionalidade perfeita, Simon (1955) traz o conceito de racionalidade limitada, baseado em que mesmo de posse das informações, nem todas elas conseguem ser avaliadas, além da influência das experiências vividas por cada indivíduo e das incertezas nas condições ambientais as quais estão inseridos, não sendo possível saber como devem ou deveriam se comportar.

    Os estudos sobre finanças passaram a se preocupar mais com os limites a racionalidade do homem, a complexidade dos ambientes na tomada de decisão e a incerteza envolvida nesse processo, sendo esses assuntos discutidos com mais frequência pelas finanças comportamentais (SIMON, 1956). Este campo de estudo, num contexto geral, faz parte da área de finanças, sendo que tem destaque a inclusão da variável do comportamento humano influenciando o processo decisório (MACEDO, 2016).

    Os estudos sobre os fatores comportamentais importantes para a tomada de decisão, indicam que os agentes ao fazerem julgamentos, utilizam mecanismos cognitivos que auxiliam na redução do tempo e esforço necessários, agindo como atalhos mentais (TVERSKY; KAHNEMAN, 1974; MACEDO JR., 2003; TONETTO et al., 2006), e são chamados de heurísticas (STERNBERG, 2008).

    Mesmo sendo associadas a limitações cognitivas, as heurísticas podem ser vistas como ferramentas importantes que auxiliam a tomada de decisão em ambientes e períodos incertos (MAITLAND E SAMMARTINO, 2015). Com muitos resultados positivos, o uso dessas ferramentas podem se tornar hábitos repetitivos (TONETTO et al., 2006) podendo, através da confiança nessas regras de julgamento, levar a vieses nas decisões (TVERSKY E KAHNEMAN, 1974).

    Sobre os vieses comportamentais dos gestores que influenciam suas decisões, o otimismo está entre os mais estudados (HEIZER; RETTIG, 2020) e este viés aumenta a aceitação de risco de várias maneiras (KAHNEMAN; LOVALLO, 1993) fazendo com que os gestores acreditem mais na ocorrência de fatos favoráveis aos desfavoráveis no desempenho da empresa (HEATON, 2002).

    Outro viés bastante estudado é o excesso de confiança, característica dos indivíduos que consideram suas habilidades acima da média e que suas informações são as melhores e mais confiáveis que das outras pessoas (HALFELD; TORRES, 2001). Podendo ser bastante perigoso, pois nem sempre os gestores detém todas as informações e não se sabe como estas são acolhidas por outras pessoas que fazem parte do mercado.

    Outro fator que pode impactar o agente em suas decisões é a sua percepção de risco, característica peculiar a cada indivíduo que pode influenciar na forma de analisar certas situações e suas prováveis consequências (NOBRE, 2015). As características pessoais, vivências, assim como mesmo os vieses a que estão sujeitos os gestores, podem gerar influência sobre a sua percepção de risco, impactando assim no processo decisório.

    Neste trabalho pretende-se estudar os vieses do otimismo e do excesso de confiança, assim como a percepção de risco dos gestores, e seu impacto nas decisões de investimento (desinvestimento) no negócio durante o período de incerteza instalado por conta da pandemia do COVID-19.

    Baseado no que foi exposto, a pesquisa buscará responder ao seguinte questionamento: Qual o impacto do otimismo, excesso de confiança e da percepção de risco na decisão de iniciar, expandir, manter, reduzir ou encerrar o negócio no contexto da pandemia do COVID-19?

6
  • ALEXSANDRA BATISTA CANDIDO SIQUEIRA
  • A AGRICULTURA FAMILIAR E A CADEIA DE PRODUÇÃO DO MEL NO RIO GRANDE DO NORTE: UMA ANÁLISE DAS FORMAS DE INTERAÇÃO COM O MERCADO

  • Orientador : ELISABETE STRADIOTTO SIQUEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ELISABETE STRADIOTTO SIQUEIRA
  • ERLAINE BINOTTO
  • FABIO CHAVES NOBRE
  • LUCAS ANDRADE DE MORAIS
  • Data: 30/06/2022

  • Mostrar Resumo
  • A cadeia de produção do mel no Rio Grande do Norte é composta predominantemente
    por agricultores familiares, aqui denominados de apicultores. Dadas as características
    desse modo de produção, orientada por valores familiares, nem sempre as formas de
    interação desses apicultores com o mercado são determinadas pela lógica capitalista.
    Sendo assim, a pesquisa traz como problemática questionar se as formas como os
    apicultores do RN interagem com o mercado tem como foco a competitividade ou
    orientam-se por valores que priorizam outras dimensões socioculturais que não têm o
    lucro e a produtividade como fatores direcionadores da ação. Nesse contexto, o objetivo
    deste estudo foi compreender como os apicultores interagem com o mercado e os
    agentes da cadeia do mel do Rio Grande do Norte. Para tanto, a construção da pesquisa
    tomou como referência três dimensões teóricas: a integração social, as tipologias de
    mercado, e as forças competitivas. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa, com
    abordagem descritiva, com dados coletados por meio de roteiro semiestruturado,
    aplicado durante as entrevistas realizadas com dez sujeitos que são agentes da cadeia
    produtiva do mel no Estado do Rio Grande do Norte, quais sejam, apicultores, lideranças
    e reguladores governamentais. Os resultados indicaram os sujeitos transitam por todas
    as dimensões das dimensões da interação social e tipologias de mercado. A dimensão
    da competitividade não se apresentou como foco dos apicultores da cadeia produtiva do
    mel do Rio Grande do Norte, embora seja reconhecida pelas lideranças e reguladores,
    nesse sentido, foram destacadas a questão da certificação como barreira de entrada e os
    atravessadores como concorrentes. Evidenciou-se que o mercado mais relevante é o
    institucional e quando este não oferece oportunidades, ocorre uma migração para os
    mercados convencionais. Observou-se que os apicultores desenvolvem estratégias de
    interação com o mercado de acordo com suas demandas individuais, mas ao mesmo
    tempo não abandonam aspectos comunitários. A contribuição desta pesquisa foi
    evidenciar que coexistem no sistema capitalistas perspectivas organizacionais
    orientadas também por valores não econômicos.


  • Mostrar Abstract
  • A cadeia produtiva da apicultura tem propiciado geração de empregos e fluxo de renda, principalmente no ambiente da agricultura familiar e tem contribuído para a melhoria da qualidade de vida do homem no meio rural. Essa atividade evoluiu no tempo, adquiriu espaço no mercado mundial e se tornou uma importante fonte de renda para várias famílias. Na cadeia do mel interagem agentes patronais e da agricultura familiar, com lógicas de produção, comercialização e de acesso ao mercado diferenciadas. Considerando que os mercados são processos sociais de produção e reprodução das atividades econômicas estes influenciam na vida das pessoas, na dimensão valorativa, cultural e ainda moldam e modificam instituições, portanto são motivo para conflitos, protestos e disputas. Portanto, compreender as formas como a agricultura familiar interage com o mercado, especificamente na cadeia produtiva do mel, pode contribuir para explicar dificuldades e potencialidades desse processo. Considerando esse contexto esse trabalho se debruça na análise da cadeia do mel, particularmente, na forma com os agricultores familiares estabelecem as interações com o mercado considerando os aspectos da governança, das estratégias competitivas e os tipos de mercado. O objetivo da pesquisa é identificar as potencialidades e dificuldades de inserção dos agricultores na cadeia produtiva do mel do Rio Grande do Norte, por meio da compreensão das formas que estes interagem com o mercado da apicultura. Trata-se de uma pesquisa de
    natureza qualitativa, descritiva. Os sujeitos serão abordados por meio de entrevista conduzida com roteiro semiestruturado. Os sujeitos da pesquisa, são agentes que fazem parte da Cadeia Produtiva do Mel do Rio Grande do Norte, categorizados como produtores/apicultores da agricultura familiar, proprietários de casas de mel, proprietários de entrepostos e representantes dos órgãos certificadores. Dentre os proprietários de casas de mel ou entrepostos, estão as associações e cooperativas de mel. 

7
  • YASCARA PRYSCILLA DANTAS COSTA
  • INOVAÇÃO SOCIAL E SUSTENTABILIDADE NO ENSINO PÚBLICO SUPERIOR

  • Orientador : CLANDIA MAFFINI GOMES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLANDIA MAFFINI GOMES
  • ELISABETE STRADIOTTO SIQUEIRA
  • Jordana Marques Kneipp
  • Data: 22/07/2022

  • Mostrar Resumo
  • O encontro de novos caminhos para a conscientização de práticas mais sustentáveis passou a ser um discurso presente em várias IES na última década, as universidades federais, necessitaram adequar-se aos parâmetros estabelecidos por lei e criar seus próprios mecanismos de gestão sustentável, inserindo em seu planejamento ações que sejam voltadas para esse novo modelo de gestão, e assim, adotar medidas através da inovação social que possam contribuir com a sustentabilidade. Nesse sentido, este trabalho tem como objetivo analisar as práticas de inovação social e sua associação com a sustentabilidade em IES públicas do Rio Grande do Norte, buscando-se especificamente descrever as principais práticas de inovação social nas IES públicas do Rio Grande do Norte, identificar as práticas de sustentabilidade nas IES públicas do Rio Grande do Norte, comparar as principais práticas de inovação social e de sustentabilidade realizadas pelas IES públicas do Rio Grande do Norte estudadas e realizar o mapeamento das diretrizes estratégicas e das ações voltadas para o ensino, pesquisa e extensão direcionadas a inovação social e sustentabilidade. Nesse sentido, com o intuito de responder ao problema de pesquisa, realizou-se uma pesquisa com objetivos exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa. No que concerne aos procedimentos técnicos e meios de investigação, foi realizado um estudo múltiplo de casos nas IES públicas do Estado do Rio Grande do Norte, os sujeitos da pesquisa foram compostos por servidores que atuam no cargo estratégico de gestão sendo um diretor e cinco pró reitores. Para a coleta de dados do estudo foram utilizadas múltiplas fontes de evidências como a observação do pesquisador, entrevistas, pesquisas científicas anteriores e dados secundários coletados ao longo do processo da pesquisa. Quanto à técnica de análise de dados, foi análise de conteúdo que foram submetidos à triangulação. Como principais resultados foi possível verificar, a partir das evidências apresentadas, que o pressuposto do estudo – de que as práticas de inovação social estão associadas no desenvolvimento das práticas de sustentabilidade nas instituições de ensino superior públicas do Rio Grande do Norte – foi atendido. É possível destacar que as instituições de ensino superior públicas do Rio Grande do Norte praticam ações de inovação social, entretanto, muitas vezes a maioria dessas ações não são de conhecimento dos próprios atores que a praticam, a exemplo quando busca-se nos PDIs das universidades, ambas possuem indicativos de práticas de inovação social e sustentabilidade, no entanto, na prática não executam essas ações. Portanto, é importante ressaltar como uma das principais evidências relacionada a dimensão da inovação social para que ela ganhe cada vez mais atenção nas IES, são os aspectos culturais. Outro fator importante que deve ser mencionado é que a sustentabilidade por meio de suas principais dimensões – econômica, ambiental e social – deve perpassar a inovação social de forma transversal, buscando-se o equilíbrio entre estas três dimensões. Há que se destacar que a dimensão social é a mais presente nas relações no que concerne à inovação social e a sustentabilidade, isso deve-se ao papel da universidade frente ao desenvolvimento sustentável.


  • Mostrar Abstract
  • O encontro de novos caminhos para a conscientização de práticas mais sustentáveis passou a ser um
    discurso presente em várias IES na última década, as universidades federais, necessitaram
    adequar-se aos parâmetros estabelecidos por lei e criar seus próprios
    mecanismos de gestão sustentável, inserindo em seu planejamento ações que sejam voltadas para esse
    novo modelo de gestão, e assim, adotar medidas através da inovação social que possam
    contribuir com a sustentabilidade. Nesse sentido, este trabalho tem como objetivo
    analisar as práticas de inovação social e sua relação com a sustentabilidade em IES públicas do
    Rio Grande do Norte, buscando-se especificamente analisar as principais práticas de
    inovação social nas IES públicas do Rio Grande do Norte e sua relação com os ODS, realizar o
    mapeamento das diretrizes estratégicas e das ações voltadas para o ensino, pesquisa e
    extensão direcionadas a sustentabilidade, analisar a relação entre a inovação social e
    a sustentabilidade nas IES públicas do Rio Grande do Norte e comparar as principais práticas de
    inovação social sustentáveis realizadas pelas IES públicas do Rio Grande do Norte
    estudadas. Com o intuito de responder ao problema de pesquisa, optou-se por realizar uma pesquisa
    com objetivos exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa. No que concerne aos
    procedimentos técnicos e meios de investigação, será realizado um estudo múltiplo de casos
    nas IES públicas do Estado do Rio Grande do Norte.

8
  • BRUNO NOGUEIRA SILVA
  • RELAÇAO O RISCO-RETORNO DE PORTFOLIOS DE INVESTIMENTOS EM AÇOES DO INDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DA BOLSA DE VALORES BRASILEIRA

  • Orientador : WESLEY VIEIRA DA SILVA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • Natallya de Almeida Levino
  • Marcus Vinicius Andrade de Lima
  • ALVARO FABIANO PEREIRA DE MACEDO
  • JOSÉ CLAUDIO ISAIAS
  • WESLEY VIEIRA DA SILVA
  • Data: 30/11/2022

  • Mostrar Resumo
  • Nas últimas décadas, o desenvolvimento sustentável tem sido buscado significativamente pela sociedade, por meio de conscientização, incentivos fiscais, restrições legais e similares. No mercado de ações, essa tendência possibilitou o surgimento de carteiras teóricas compostas por ativos de empresas consideradas referências em gestão corporativa sustentável. No entanto, esse mercado é visto como uma alternativa de investimento de alto risco, principalmente para investidores que não detêm informações ou instrumentos que auxiliem na escolha dos portfólios. Para tal propósito, a Teoria Moderna de Portfólios (TMP) tem sido a mais utilizada até os dias atuais, principalmente em versões de modo adaptado com métricas que não pressupõem a normalidade dos retornos. A metodologia Gini-CAPM – a principal derivação da TMP com uma métrica de risco mais robusta contra a não normalidade, o Gini – tem apresentado bons resultados para otimização dos portfólios de investimento. Assim, este trabalho teve como objetivo investigar a relação risco-retorno de portfólios de ações estruturados apenas com papéis listados no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bolsa de Valores brasileira (B3), utilizando conceitos derivados do Gini-CAPM, e outras métricas de seleção de portfólios que também utilizam o Gini como métrica de risco. O método proposto para a seleção é multiobjetivo e utiliza os critérios de seleção Beta-Gini, Sharpe-Gini, Assimetria-Gini e Value at Risk, inclusive nesta ordem. Assim, o presente estudo apresentou um método estruturado de como selecionar portfólios de ações com base no perfil de risco do investidor. Por ocasião da análise de resultados, ao comparar o desempenho dos portfólios propostos com a performance dos benchmarks de renda variável nacional, ficou evidente que alguns portfólios propostos exibiram performance superior aos benchmarks. Os principais resultados evidenciaram que esses portfólios (compostos por ações ESG) ofereceram risco menor que os benchmarks. Observou-se ainda que maior parte dos ativos individuais componentes da amostra exibiu risco (mensurado pelo coeficiente Beta) inferior a um, podendo assim ser considerados como investimentos defensivos; o que pode ser interessante para investidores com maior aversão a risco e que se preocupam com a causa ESG. Portanto, esta pesquisa contribui para a literatura ao proporcionar informações sobre a relação risco-retorno das ações de empresas social e ambientalmente responsáveis. Adicionalmente, o estudo empregou o modelo de otimização Gini-CAPM (que conta cm uma métrica de risco mais robusta frente à não normalidade), até então pouco utilizado na seara de gestão de portfólios de ações.


  • Mostrar Abstract
  • O mercado de ações é visto como uma alternativa de investimento de alto risco, principalmente para investidores que não detêm informações ou instrumentos que auxiliem na escolha das empresas nas quais se deve investir. Alguns investidores realizam seus investimentos com base na análise técnica (gráfica), considerando informações estatísticas para definir a tendência de valor das ações. Por outro lado, a escola fundamentalista se pauta em análises financeiras, político-econômicas ou de mercado para embasar a decisão de investimento. Valendo-se da técnica de otimização de carteiras de Markowitz para seleção de portfólios de investimento, este trabalho tem como objetivo investigar a relação risco-retorno de carteiras de ações estruturadas apenas com ações listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bolsa de Valores brasileira. Será feita uma análise comparativa da performance das carteiras propostas com as principais carteiras teóricas do mercado acionário nacional. Os resultados mostrarão como compor carteiras de ações ESG, apontando para a viabilidade ou não destes portfólios. Desse modo, esta pesquisa contribui para a literatura de teoria de portfólios e para o alcance de pelo menos um dos objetivos de desenvolvimento sustentável propostos pela Organização das Nações Unidas.

9
  • ROSILANIA SILVA DE QUEIROZ
  • MODELO MULTICRITÉRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO PARA APOIAR DECISÕES DE INVESTIMENTOS NO SETOR ELÉTRICO.

  • Orientador : RENAN FELINTO DE FARIAS AIRES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FERNANDO SCHRAMM
  • KLEBER FORMIGA MIRANDA
  • RENAN FELINTO DE FARIAS AIRES
  • Data: 20/12/2022

  • Mostrar Resumo
  • A complexidade do mercado financeiro expõe os investidores a confrontos contínuos com problemas relacionados aos seus investimentos, por não conseguirem interpretar corretamente todas as informações disponíveis. Estudar os aspectos econômico-financeiros das organizações tornou-se então relevante, servindo como ferramenta de suporte durante o processo de escolha de uma instituição financeiramente sólida para investir, sendo considerado um dos métodos mais eficazes para analisar a saúde financeira de qualquer organização. Neste contexto, o estudo possui o objetivo de propor um modelo multicritério de avaliação do desempenho econômico-financeiro das empresas do segmento de energia elétrica listadas na Bolsa de Valores Brasileira (B3), por meio da integração de indicadores contábeis para apoiar decisões de investimentos. Para isso, foram definidos 12 critérios preliminares a serem utilizados, divididos em três categorias (liquidez, endividamento e rentabilidade) para avaliação dos indicadores econômico-financeiros de 54 empresas pertencentes ao segmento de energia elétrica que negociam ações na Bolsa de Valores, no período que abrange os exercícios de 2012 a 2021. Para tanto, foi utilizado o método Interval-Valued TOPSIS, uma extensão do TOPSIS, que possibilita a análise de valores intervalares e permite a apresentação dos resultados por meio de um ranking. Com isso, foram elaborados três rankings de classificação, conforme o grupo de atividades exercidas pelas empresas. No primeiro, a A31 foi classificada como a melhor empresa para se investir, seguida da A15 e A23. Do ponto de vista negativo, a A8 foi considerada a pior instituição, antecedida pela A27 e A17. No segundo ranking, a A39 foi considerada a melhor instituição, seguida da A54 e A35. Quanto aos piores resultados, a A43 foi considerada a instituição com a pior análise, antecedida pela A53 e A41. O último ranking, com todas as empresas, evidenciou as melhores e piores empresas a se investir, refletindo as classificações anteriores. A A15 foi assim classificada como a melhor empresa para se investir, ao qual também ocupou a segunda colocação no ranking de empresas que exercem apenas um tipo de atividade principal. Foi antecedida pela A54 e A23, também avaliadas como as melhores empresas a se investir nos rankings anteriores. Quantos aos piores resultados no ranking geral, foi observado que tais colocações refletem as piores classificações das análises das empresas que exercem uma atividade e das que exercem duas, tendo a A8 ter sido considerada a pior instituição, antecedida pela A43 e A27. Assim, independente do grupo de análise, estas instituições foram caracterizadas como as piores a se investir. No tocante aos indicadores, foi observado que as empresas que mantiveram sua liquidez e lucratividade em crescimento constante conseguiram uma boa classificação em termos da pontuação para o desempenho geral. Por fim, foi aplicado a análise de sensibilidade para validação do método multicritério proposto, como forma de proporcionar maior segurança e robustez aos dados gerados. Dessa forma, os resultados alcançados evidenciaram as melhores instituições a se negociar ações na bolsa de valores pertencentes ao segmento de energia elétrica, baseado nas informações econômico-financeiras do período de 2012 a 2021. Concluiu-se que o modelo proposto forneceu subsídios para decisões de investimento consistentes e confiáveis.


  • Mostrar Abstract
  • A complexidade do mercado financeiro expõe os investidores a confrontos contínuos com problemas relacionados aos seus investimentos, por não conseguirem interpretar corretamente todas as informações disponíveis. Estudar os aspectos econômico-financeiros das organizações tornou-se então relevante, servindo como ferramenta de suporte durante o processo de escolha de uma instituição financeiramente sólida para investir, sendo considerado um dos métodos mais eficazes para analisar a saúde financeira de qualquer organização. Neste contexto, o estudo possui o objetivo de propor um modelo multicritério de avaliação do desempenho econômico-financeiro das empresas do segmento de energia elétrica listadas na Bolsa de Valores Brasileira (B3), por meio da integração de indicadores contábeis para apoiar decisões de investimentos. Para isso, foram definidos 12 critérios preliminares a serem utilizados, divididos em três categorias (liquidez, endividamento e rentabilidade) para avaliação dos indicadores econômico-financeiros de 56 empresas pertencentes ao segmento de energia elétrica que negociam ações na Bolsa de Valores. Para tanto, será utilizado o método Interval-Valued TOPSIS, uma extensão do TOPSIS, que possibilita a análise de valores intervalares e permite a apresentação dos resultados por meio de um ranking. Com isso, pretende-se elaborar um ranking de classificação por segmento, para posteriormente ser elaborado um ranking global, baseado no desempenho econômico-financeiro das empresas estudadas.

2021
Dissertações
1
  • CASSIO RODRIGO DA COSTA ALMEIDA
  • Desempenho Econômico-Financeiro versus Desempenho Esportivo: um Estudo Comparativo entre Clubes de Futebol do Brasil e da Inglaterra

  • Orientador : ALVARO FABIANO PEREIRA DE MACEDO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO FABIANO PEREIRA DE MACEDO
  • MANUEL JOSÉ DA ROCHA ARMADA
  • WESLEY VIEIRA DA SILVA
  • Data: 21/09/2021

  • Mostrar Resumo
  • O futebol destaca-se mundialmente como um fenômeno que ultrapassa a esfera esportiva, considerado uma peça essencial na indústria do esporte, bem como para a sociedade. Ao longo dos anos acabou se transformando em um negócio bilionário, devido principalmente às negociações envolvendo seus jogadores. Contudo, essa expansão futebolística passou a atrair atenção não somente dos torcedores, mas sim de um público em especifico, como patrocinadores e investidores. Os clubes passaram então a estruturar uma equipe forte, que obtivesse bom desempenho esportivo e financeiro, permitindo a arrecadação de mais recursos. Ante a isso, o objetivo central da pesquisa consistiu em investigar a relação entre o desempenho econômico-financeiro e o desempenho esportivo dos principais clubes de futebol do Brasil e da Inglaterra entre o período de 2015 a 2019. O estudo é considerado um levantamento de dados secundários, possuindo cunho descritivo, com viés estatístico e documental. Quanto à amostra, a mesma foi definida baseada em dois cenários. O cenário um relaciona os clubes brasileiros, que foram selecionados seguindo o critério de participação dos times que permaneceram na mais alta divisão do Campeonato Brasileiro nas últimas cinco temporadas, de 2015 a 2019. Já o cenário dois relaciona os clubes ingleses, que foram selecionados seguindo o critério de participação dos times que permaneceram na mais alta divisão da Premier League, no período que abrange as últimas cinco temporadas, correspondendo ao período de 2015/2016 a 2019/2020. Ao todo, foram selecionados onze clubes brasileiros e treze ingleses. Para construção do fator financeiro, os dados foram extraídos por meio do Balanço Patrimonial e da Demonstração do Resultado do Exercício, baseado em sete indicadores econômico-financeiros. Foram definidos ainda as variáveis independentes, sendo adotado o Ranking de Clubes da CBF para os clubes brasileiros e classificação geral da primeira divisão da Premier League para os ingleses. Em seguida, definiu-se as variáveis de controles, sendo estas a população, canal de transmissão, estádio próprio, quantidade de jogos e vitórias para os brasileiros e espectadores por estádio, canal de transmissão, estádio próprio, quantidade de jogos e vitórias para os ingleses. Relacionado ao processo de análise dos dados, foi utilizada a técnica econométrica de regressão com dados em painel, aplicada com o software Gretl, além da utilização da técnica de Redes Bayesianas, para discutir a relação entre o desempenho financeiro e o desempenho esportivo. Os resultados apontaram que os indicadores de liquidez tiveram médias inferiores ao considerado ideal para o indicador. No caso dos brasileiros, demonstraram uma capacidade de pagamento muito baixa, colocando em risco suas finanças. Para os ingleses, tais valores foram considerados baixos, porém ainda superiores aos brasileiros. No tocante ao endividamento, os brasileiros novamente alcançaram resultados preocupantes, com um elevado índice de endividamento e baixa garantia do seu capital próprio, diferente dos ingleses, que evidenciaram resultados satisfatórios. Os dados ainda evidenciam a alta arrecadação de recursos pelos clubes ingleses, reforçando a valorização pelo futebol de elite que os mesmos desempenham. Para os brasileiros, os clubes estão melhorando ao longo do tempo, aperfeiçoando sua gestão financeira, ainda que de maneira lenta. Ante isso, analisando os efeitos individuais do desempenho esportivo e das variáveis de controle, foi possível identificar que as variáveis de controle são capazes de afetar o comportamento financeiro dos clubes brasileiros e ingleses. Assim, baseado nos resultados alcançados, pode-se concluir que houve uma relação negativa entre o desempenho esportivo e o desempenho financeiro, tanto dos clubes brasileiros, como dos ingleses.


  • Mostrar Abstract
  • O futebol destaca-se mundialmente como um fenômeno que ultrapassa a esfera esportiva, considerado uma peça essencial na indústria do esporte, bem como para a sociedade. Ao longo dos anos acabou se transformando em um negócio bilionário, devido principalmente às negociações envolvendo seus jogadores. Contudo, essa expansão futebolística passou a atrair atenção não somente dos torcedores, mas sim de um público em especifico, como patrocinadores e investidores. Os clubes passaram então a estruturar uma equipe forte, que obtivesse bom desempenho esportivo e financeiro, permitindo a arrecadação de mais recursos. Ante a isso, o objetivo central da pesquisa consistiu em investigar a relação entre o desempenho econômico-financeiro e o desempenho esportivo dos principais clubes de futebol do Brasil e da Inglaterra entre o período de 2015 a 2019. O estudo é considerado um levantamento de dados secundários, possuindo cunho descritivo, com viés estatístico e documental. Quanto à amostra, a mesma foi definida baseada em dois cenários. O cenário um relaciona os clubes brasileiros, que foram selecionados seguindo o critério de participação dos times que permaneceram na mais alta divisão do Campeonato Brasileiro nas últimas cinco temporadas, de 2015 a 2019. Já o cenário dois relaciona os clubes ingleses, que foram selecionados seguindo o critério de participação dos times que permaneceram na mais alta divisão da Premier League, no período que abrange as últimas cinco temporadas, correspondendo ao período de 2015/2016 a 2019/2020. Ao todo, foram selecionados onze clubes brasileiros e treze ingleses. Para construção do fator financeiro, os dados foram extraídos por meio do Balanço Patrimonial e da Demonstração do Resultado do Exercício, baseado em sete indicadores econômico-financeiros. Foram definidos ainda as variáveis independentes, sendo adotado o Ranking de Clubes da CBF para os clubes brasileiros e classificação geral da primeira divisão da Premier League para os ingleses. Em seguida, definiu-se as variáveis de controles, sendo estas a população, canal de transmissão, estádio próprio, quantidade de jogos e vitórias para os brasileiros e espectadores por estádio, canal de transmissão, estádio próprio, quantidade de jogos e vitórias para os ingleses. Relacionado ao processo de análise dos dados, foi utilizada a técnica econométrica de regressão com dados em painel, aplicada com o software Gretl, além da utilização da técnica de Redes Bayesianas, para discutir a relação entre o desempenho financeiro e o desempenho esportivo. Os resultados apontaram que os indicadores de liquidez tiveram médias inferiores ao considerado ideal para o indicador. No caso dos brasileiros, demonstraram uma capacidade de pagamento muito baixa, colocando em risco suas finanças. Para os ingleses, tais valores foram considerados baixos, porém ainda superiores aos brasileiros. No tocante ao endividamento, os brasileiros novamente alcançaram resultados preocupantes, com um elevado índice de endividamento e baixa garantia do seu capital próprio, diferente dos ingleses, que evidenciaram resultados satisfatórios. Os dados ainda evidenciam a alta arrecadação de recursos pelos clubes ingleses, reforçando a valorização pelo futebol de elite que os mesmos desempenham. Para os brasileiros, os clubes estão melhorando ao longo do tempo, aperfeiçoando sua gestão financeira, ainda que de maneira lenta. Ante isso, analisando os efeitos individuais do desempenho esportivo e das variáveis de controle, foi possível identificar que as variáveis de controle são capazes de afetar o comportamento financeiro dos clubes brasileiros e ingleses. Assim, baseado nos resultados alcançados, pode-se concluir que houve uma relação negativa entre o desempenho esportivo e o desempenho financeiro, tanto dos clubes brasileiros, como dos ingleses.

2
  • LIVIA RODRIGUES BARRETO
  • BLOOD BANKS NEGOTIATION PROTOCOL: A LINEAR PROGRAMMING APPROACH

  • Orientador : BRENO BARROS TELLES DO CARMO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRENO BARROS TELLES DO CARMO
  • BRUNO DE ATHAYDE PRATA
  • FABIO FRANCISCO DA COSTA FONTES
  • LUCIANO CARLOS AZEVEDO DA COSTA
  • Data: 08/11/2021

  • Mostrar Resumo
  • The lack of blood products represents a risk to the population's health and life. The management of the blood banks' supply chain involves a great deal of uncertainty because the perishability of the material and the voluntary donation of the population considered eligible. Sharing blood product stocks is still a difficult strategy to implement due to the complexity of the supply chain, and it is also a scientific gap to be explored. Thus, this research proposes a negotiation protocol based on a linear programming model to support the negotiation of blood products among blood banks, aiming to increase product supply and reduce waste. The solution was developed based on an adaptation of the transportation problem, considering the amount of blood products offered or demanded and their respective expiry date and stock levels, represented by a criticality level, and the distance between the blood banks. In addition, extensions that can be incorporated have been modeled, aiming at load compaction, reduction of negotiation pairs and a minimum level of service to demand. The model was implemented using the CPLEX solver and the computational tests were performed with randomly generated data for (i) blood banks in the state of Rio Grande do Norte, (ii) the northeast region, and (iii) Brazil. Finally, a scalability analysis and a management analysis were performed to evaluate the model's behavior for different instances. The model promotes the reduction of blood products waste since it can be negotiated between a blood bank in need and another blood bank with stock. It is also observed that the products offered with short expiration date are prioritized over those with a longer period, an important factor due to the high perishability of the blood products. Moreover, for the demanded products, the model prioritizes those that are more critical, in relation to those that are only for the replacement of the stock bank. It is noteworthy that the model allowed 100% of the blood banks with high criticality demand to be visited, reducing the waste of blood products. The developed protocol is an intelligent negotiation tool able to support the blood bank managers when deciding about blood products exchange, improving the quality of the negotiations among blood banks stocks, reducing the waste, and increasing the availability of these products. Thus, the model can better manage the stock in a sharing perspective.


  • Mostrar Abstract
  • The lack of blood products represents a risk to the population's health and life. The management of the blood banks' supply chain involves a great deal of uncertainty because the perishability of the material and the voluntary donation of the population considered eligible. Sharing blood product stocks is still a difficult strategy to implement due to the complexity of the supply chain, and it is also a scientific gap to be explored. Thus, this research proposes a negotiation protocol based on a linear programming model to support the negotiation of blood products among blood banks, aiming to increase product supply and reduce waste. The solution was developed based on an adaptation of the transportation problem, considering the amount of blood products offered or demanded and their respective expiry date and stock levels, represented by a criticality level, and the distance between the blood banks. In addition, extensions that can be incorporated have been modeled, aiming at load compaction, reduction of negotiation pairs and a minimum level of service to demand. The model was implemented using the CPLEX solver and the computational tests were performed with randomly generated data for (i) blood banks in the state of Rio Grande do Norte, (ii) the northeast region, and (iii) Brazil. Finally, a scalability analysis and a management analysis were performed to evaluate the model's behavior for different instances. The model promotes the reduction of blood products waste since it can be negotiated between a blood bank in need and another blood bank with stock. It is also observed that the products offered with short expiration date are prioritized over those with a longer period, an important factor due to the high perishability of the blood products. Moreover, for the demanded products, the model prioritizes those that are more critical, in relation to those that are only for the replacement of the stock bank. It is noteworthy that the model allowed 100% of the blood banks with high criticality demand to be visited, reducing the waste of blood products. The developed protocol is an intelligent negotiation tool able to support the blood bank managers when deciding about blood products exchange, improving the quality of the negotiations among blood banks stocks, reducing the waste, and increasing the availability of these products. Thus, the model can better manage the stock in a sharing perspective.

3
  • NATALY INÊZ FERNANDES DOS SANTOS
  • ATITUDES DOS INDIVÍDUOS FRENTE À MUDANÇA ORGANIZACIONAL: RELAÇÃO ENTRE BPM E ANTECEDENTES DE RESISTÊNCIA À MUDANÇA

  • Orientador : RENAN FELINTO DE FARIAS AIRES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOSUÉ VITOR DE MEDEIROS JÚNIOR
  • LILIAN CAPORLINGUA GIESTA CABRAL
  • RENAN FELINTO DE FARIAS AIRES
  • Data: 09/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • Com a crescente competitividade empresarial, as organizações têm se preocupado cada vez
    mais em acompanhar as mudanças no mercado e conhecer as reais necessidades dos clientes.
    Gestores, profissionais e pesquisadores aumentaram o interesse por novos modelos de
    negócios, como o Business Process Management (BPM) ou Gestão de Processos de
    Negócios, com foco nos clientes, mapeamento de atividades e medição para avaliar o
    desempenho e otimização dos processos. O BPM também é responsável pela mudança de
    cultura organizacional, a qual pode ser naturalmente acompanhada de certa resistência. Nesse
    contexto, o estudo teve como objetivo investigar as atitudes dos indivíduos frente à mudança
    organizacional, considerando a implementação do BPM e alguns antecedentes de resistência à
    mudança. Trata-se de uma pesquisa de natureza aplicada, do tipo descritiva e com abordagem
    qualitativa, pois o estudo analisou, em profundidade, atitudes dos indivíduos em cenário de
    mudanças. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com colaboradores que
    passaram pela experiência de mudança organizacional do contexto de BPM no mercado
    brasileiro. A técnica de análise de dados utilizada foi a análise de conteúdo, com codificação
    baseada em conceitos para categorizar as informações coletadas nas entrevistas. No que se
    refere às atitudes dos indivíduos relacionadas a mudança organizacional no contexto do BPM,
    foram percebidas tanto reações positivas quanto negativas. A satisfação, o medo, o estresse e
    a ansiedade estão dentre as emoções mais relatadas pelos sujeitos. Já os pensamentos dos
    indivíduos são contraditórios aos sentimentos negativos expressados, uma vez que benefícios
    organizacionais, facilidade e prazer no trabalho e benefícios pessoais foram os mais citados.
    Quanto ao comportamento, identificou-se que os indivíduos falam bem da mudança e de
    modo geral aceitam-na, no entanto, foi notório o número de entrevistados que relataram fazer
    objeções quando necessário. Já com relação a percepção dos indivíduos quanto à confiança na
    gestão, os entrevistados relataram habilidades e competências de liderança nos detentores de
    poder e segurança no líder como pontos positivos. Apesar disso, também foi dado ênfase a
    falta de comunicação nas fases do processo. Conclui-se que a pesquisa forneceu uma
    contribuição relevante para a área de estudo, uma vez que a relação entre BPM e resistência à
    mudança ainda é uma problemática passível de mais aprofundamentos. Isso ficou claro a
    partir dos novos achados da pesquisa, isto é, dos antecedentes de resistência à mudança que
    surgiram dos dados, como o desconforto e preocupação, segurança quanto à mudança que
    estava ocorrendo, relação com os colegas de trabalho, improvisações, orgulho e agressividade
    por parte do líder do processo.


  • Mostrar Abstract
  • Com a crescente competitividade empresarial, as organizações têm se preocupado cada vez
    mais em acompanhar as mudanças no mercado e conhecer as reais necessidades dos clientes.
    Gestores, profissionais e pesquisadores aumentaram o interesse por novos modelos de
    negócios, como o Business Process Management (BPM) ou Gestão de Processos de
    Negócios, com foco nos clientes, mapeamento de atividades e medição para avaliar o
    desempenho e otimização dos processos. O BPM também é responsável pela mudança de
    cultura organizacional, a qual pode ser naturalmente acompanhada de certa resistência. Nesse
    contexto, o estudo teve como objetivo investigar as atitudes dos indivíduos frente à mudança
    organizacional, considerando a implementação do BPM e alguns antecedentes de resistência à
    mudança. Trata-se de uma pesquisa de natureza aplicada, do tipo descritiva e com abordagem
    qualitativa, pois o estudo analisou, em profundidade, atitudes dos indivíduos em cenário de
    mudanças. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com colaboradores que
    passaram pela experiência de mudança organizacional do contexto de BPM no mercado
    brasileiro. A técnica de análise de dados utilizada foi a análise de conteúdo, com codificação
    baseada em conceitos para categorizar as informações coletadas nas entrevistas. No que se
    refere às atitudes dos indivíduos relacionadas a mudança organizacional no contexto do BPM,
    foram percebidas tanto reações positivas quanto negativas. A satisfação, o medo, o estresse e
    a ansiedade estão dentre as emoções mais relatadas pelos sujeitos. Já os pensamentos dos
    indivíduos são contraditórios aos sentimentos negativos expressados, uma vez que benefícios
    organizacionais, facilidade e prazer no trabalho e benefícios pessoais foram os mais citados.
    Quanto ao comportamento, identificou-se que os indivíduos falam bem da mudança e de
    modo geral aceitam-na, no entanto, foi notório o número de entrevistados que relataram fazer
    objeções quando necessário. Já com relação a percepção dos indivíduos quanto à confiança na
    gestão, os entrevistados relataram habilidades e competências de liderança nos detentores de
    poder e segurança no líder como pontos positivos. Apesar disso, também foi dado ênfase a
    falta de comunicação nas fases do processo. Conclui-se que a pesquisa forneceu uma
    contribuição relevante para a área de estudo, uma vez que a relação entre BPM e resistência à
    mudança ainda é uma problemática passível de mais aprofundamentos. Isso ficou claro a
    partir dos novos achados da pesquisa, isto é, dos antecedentes de resistência à mudança que
    surgiram dos dados, como o desconforto e preocupação, segurança quanto à mudança que
    estava ocorrendo, relação com os colegas de trabalho, improvisações, orgulho e agressividade
    por parte do líder do processo.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação e Comunicação - (84) 3317-8210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sig-prd-sigaa01.ufersa.edu.br.sigaa01